Khalid Mohammed/AP
Khalid Mohammed/AP

EUA esvaziam maior base no Iraque e levam privada de Saddam

Peça vai para museu militar no Missouri; soldados desmontam instalações para retirada

Reuters

07 de novembro de 2011 | 16h30

BAGDÁ - Militares americanos estão esvaziando os palácios ornamentados de Saddam Hussein em suas bases de guerra em Bagdá e devolverão a propriedade para o Iraque no próximo mês, mas a privada de Saddam na prisão vai embora para os Estados Unidos.

 

O vaso sanitário de aço inoxidável e uma porta de aço reforçado foram removidos da cela onde o ditador passou dois anos antes de sua execução em 2006, e terão como destino um museu da polícia militar nos Estados Unidos.

 

"Não estamos tirando nada que os iraquianos possuíam. Estamos apenas tirando as coisas que nós colocamos, nós utilizamos e quando não precisávamos mais, levamos para casa", explicou o tenente-coronel Jerry Brooks, historiador militar, durante um passeio pelo local nesta segunda-feira.

 

A vila onde as tropas americanas construíram uma prisão de segurança máxima para Saddam e seu seguidor fiel Ali Químico está localizada em um complexo dos EUA perto do aeroporto de Bagdá, conhecido como Base Vitória, que deve ser entregue para o governo iraquiano em dezembro quando as forças norte-americanas se retirarem completamente até o final do ano.

 

Rodeada por 42 quilômetros de muros e arame farpado, a Vitória, a maior das 505 bases que os militares dos EUA operaram no Iraque, abrigou mais de 40 mil soldados e até 25 mil trabalhadores. Apenas 4 mil soldados continuam no local.

De um total de 170 mil soldados no auge da ocupação, Washington agora tem cerca de 31 mil ainda no Iraque, em 12 bases. O anúncio do presidente Barack Obama em 21 de outubro, de que todas as forças remanescentes deixariam o país até o final do ano, colocou o movimento de retirada em velocidade elevada.

 

Mudança

 

Os palácios que no passado sediaram o comando de guerra dos EUA, baseados no francês Versalhes e espalhados em torno de uma série de lagos interconectados construídos por homens, estão sendo esvaziados com exceção dos móveis franceses provincianos de Saddam.

 

Oficiais americanos disseram que estão deixando para trás melhorias avaliadas em mais de US$ 100 milhões na Base Vitória, incluindo prédios, tanques de água, geradores e outros equipamentos.

Saddam ficou preso na vila de 2004 a 2006 e seu primo Ali Hassan al-Majeed, conhecido como Ali Químico, de 2004 a 2008, informaram oficiais. A combinação padrão de privada e pia usada por Ali Químico ainda está no local, mas a de Saddam foi removida em agosto, informou o tenente-coronel Brooks. "Vai para o Museu da Polícia Militar no Forte Leonard Wood, em Missouri", explicou.

 

Entre os tesouros de Saddam na base estão o palácio Vitória Sobre a América, que celebrava a Guerra do Golfo, na qual as forças americanas tiraram os iraquianos do Kuwait, e o palácio Vitória Sobre o Irã, que comemorava a campanha dos anos 1980 contra o país vizinho.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraqueSaddam HusseinOriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.