EUA expulsam dois diplomatas venezuelanos em medida retaliatória

Os Estados Unidos expulsaram dois diplomatas venezuelanos em retaliação por a Venezuela ter, na semana passada, ordenado que dois adidos militares norte-americanos deixassem o país exportador de petróleo, disse uma autoridade norte-americana nesta segunda-feira.

Reuters

11 de março de 2013 | 15h30

O funcionário, que não quis ser identificado, disse que, em resposta à ação da Venezuela, os Estados Unidos tinham declarado o secretário Orlando José Montañez Olivares e o funcionário consular Camacaro Mata "personae non gratae", usando o termo oficial para a decisão de expulsar outros diplomatas venezuelanos.

"Soubemos por intermédio da embaixada venezuelana que eles saíram dos Estados Unidos", disse a autoridade.

O vice-presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou a expulsão de dois adidos militares norte-americanos na terça-feira, horas antes de dizer ao mundo que Hugo Chávez, o líder da Venezuela, tinha morrido.

Maduro, o sucessor escolhido por Chávez, disse na terça-feira que um dos diplomatas norte-americanos expulsos tentou provocar um complô militar contra Chávez. Ele também disse que o câncer de Chávez foi um ataque dos inimigos da Venezuela - uma acusação que Washington considerou absurda.

A Embaixada dos EUA em Caracas está sem um embaixador desde 2010, quando Chávez rejeitou o indicado norte-americano. Isso fez com que Washington revogasse as credenciais do embaixador da Venezuela.

O presidente norte-americano, Barack Obama, emitiu um comunicado logo depois que a morte de Chávez foi anunciada, expressando interesse em uma "relação construtiva" na era pós-Chávez. Mas analistas disseram que Washington teria que descobrir uma maneira de se engajar com os líderes venezuelanos e a oposição sem parecer interferir na nação sul-americana produtora de petróleo.

(Por Arshad Mohammed)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAVENEZUELAEXPULSAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.