EUA fazem incursão na Síria contra tráfico de combatentes

Uma incursão militar norte-americana no domingo na Síria pode ter matado um importante agenciador de combatentes para o Iraque, disse uma autoridade dos EUA na segunda-feira, enquanto Damasco condenava a "agressão terrorista" que sofreu. O funcionário dos EUA falou sob anonimato a respeito da ação, na qual, segundo moradores e autoridades sírias, soldados norte-americanos chegaram de helicóptero e mataram oito civis. Um segundo funcionário dos EUA disse que as forças norte-americanas só atacaram pessoas consideradas ameaçadoras, e que mulheres e crianças estavam vivas no local quando os soldados saíram. O Pentágono e a Casa Branca não confirmaram nem negaram oficialmente o envolvimento dos EUA no incidente, que alarmou a França e a Rússia. Ambos os países pediram aos EUA que respeitem a soberania territorial síria. Se confirmado, será o primeiro ataque dos EUA contra a Síria desde a invasão do Iraque, em 2003. A Síria diz que quatro helicópteros atacaram a fazenda Al Sukkari, na região de Albou Kamal, no leste da Síria, perto da fronteira com o Iraque. O primeiro funcionário norte-americano disse que o alvo era Abu Ghadiya, ex-subcomandante da Al Qaeda no Iraque. "Foi uma operação bem-sucedida", disse essa fonte dos EUA por telefone. "(Abu Ghadiya) supostamente está morto. Isso sem dúvida terá um efeito debilitante nesta rede de contrabando de combatentes estrangeiros." O governo Bush, que termina em janeiro, acusa Damasco de não se empenhar em conter o fluxo de combatentes da Al Qaeda e de outros grupos insurgentes para o Iraque. Em visita a Londres, o chanceler sírio, Walid Al Moualem, disse ser impossível para a Síria patrulhar toda a sua fronteira com Damasco. Ele acusou os EUA de tentarem atrapalhar as recentes aberturas diplomáticas entre Europa e Síria. "Os americanos fazem isso à luz do dia. Isso significa que não é um erro, é uma clara determinação. Por isso consideramos uma agressão criminosa e terrorista", disse ele em entrevista coletiva. (Reportagem adicional de Samia Nakhoul, Adrian Croft, Mariam Karouny, Will Rasmussen, Christian Lowe, Randall Mikkelsen, Andrew Gray e Tabassum Zakaria)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.