EUA fazem pouco progresso sobre 'abismo fiscal', diz senador

- Parlamentares norte-americanos fizeram pouco progresso nos últimos dez dias em direção a um compromisso para evitar os duros aumentos de impostos e cortes de gastos do governo marcados para 1o de janeiro, disse um senador democrata sênior no domingo.

Reuters

25 de novembro de 2012 | 15h30

Os Estados Unidos estão no caminho de reduzir seu déficit orçamentário em quase metade no próximo ano. Diminuir a diferença tão rapidamente, o que em Washington é chamado de passar sobre um "abismo fiscal", poderia facilmente provocar uma recessão.

"Infelizmente, nos últimos dez dias, com a Câmara e o Congresso em recesso para o feriado de Ações de Graças... não foi feito muito progresso", disse Dick Durbin, o número 2 do Senado democrata, ao programa "This Week" da ABC.

Um prazo final está se aproximando. Sem uma ação dos parlamentares e do presidente Barack Obama, cerca de 600 bilhões de dólares em aumentos de impostos e cortes de gastos começarão a atingir as residências e empresas no início de janeiro.

Os republicanos e os democratas de Obama estão em um impasse sobre o desejo do presidente de aumentar as taxas de imposto de renda sobre os norte-americanos mais ricos, o que os republicanos dizem que iria prejudicar a criação de postos de trabalho.

Os republicanos também querem cortar os gastos sobre programas sociais mais do que os democratas dizem que aceitariam.

Durbin disse que os democratas estão dispostos a permitir pequenas mudanças a partes desses programas de benefícios, incluindo programas de seguro-saúde para os idosos e os pobres, mas a Previdência Social, o programa de pensão do governo, não deveria ser posto sobre a mesa.

"Traga a reforma de direitos para a conversa. A Previdência Social, deixe de lado", disse Durbin.

(Reportagem Jason Lange)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAABISMOFISCAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.