EUA: Furacão Irene começa a castigar litoral da Carolina do Norte

Após passar pelo estado, furacão se deslocará ao longo da costa nordeste dos Estados Unidos, informou o meteorologista Félix García, do NHC

Efe,

27 de agosto de 2011 | 02h43

MIAMI - O furacão Irene, que deixou pelo menos seis mortos em sua passagem pelo Caribe, começou a castigar na noite desta sexta-feira (horário local, madrugada em Brasília) o litoral da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, com fortes ventos, chuvas torrenciais e uma ressaca "extremamente perigosa".

As condições do clima piorando durante a madrugada, enquanto o centro de Irene se aproxima ainda mais da Carolina do Norte, onde deve chegar no sábado perto de Morehead City e das ilhotas próximas.

Irene, com ventos máximos sustentados de 160 km/h, mantém em alerta de furacão grandes centros urbanos do litoral atlântica dos EUA, incluindo Nova York, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos em seu boletim da meia-noite (horário de Brasília).

Ainda é um ciclone de categoria 2 na escala de intensidade Saffir-Simpson, de um máximo de cinco.

Está vigente um aviso de furacão (passagem do sistema em 36 horas) desde Nova Jersey e Nova York até a costa de Massachusetts, incluindo as ilhas de Martha's Vineyard e Nantucket.

Permanece em vigor uma vigilância de furacão (passagem em 48 horas) para o norte de Sandy Hook, em Nova Jersey, até a desembocadura do rio Merrimack, em Massachusetts.

Os meteorologistas recomendaram aos moradores que tomem precauções porque Irene causará uma ressaca "extremamente perigosa, que elevaria o nível de água entre dois e três metros acima da média normal".

O sistema tropical é considerado um grande furacão, já que seus ventos com força de furacão se estendem 150 quilômetros desde seu centro e os de força com tempestade tropical a 465 quilômetros.

Após passar pela Carolina do Norte, Irene se deslocará ao longo da costa nordeste dos Estados Unidos e afetará muitas cidades que se encontram na área, informou o meteorologista Félix García, do NHC.

Tudo o que sabemos sobre:
furacãoirenreeuacarolina do norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.