EUA impõem restrições a visitantes isentos de visto

Turistas de países que não precisam de visto terão de fazer cadastro na internet antes da viagem

Efe,

03 de junho de 2008 | 19h11

Os Estados Unidos exigirão dos estrangeiros que visitem o país e que não precisam apresentar visto que se cadastrem pela internet antes de sua viagem, anunciou nesta terça-feira, 3, o Departamento de Segurança Nacional americano. O órgão afirma que a iniciativa procura combinar o aumento da segurança das fronteiras com o conforto dos viajantes. O secretário adjunto para Assuntos Políticos do Departamento, Stewart Baker, explicou nesta terça que o novo mecanismo substituirá o sistema atual, pelo qual os visitantes isentos de visto devem preencher um formulário com seus dados, o I-94W, durante seu vôo aos EUA e entregá-lo a um funcionário de imigração a sua chegada. O novo cadastro, conhecido como Electronic System for Travel Authorization (Esta, Sistema Eletrônico para a Autorização de Viagem), solicitará exatamente os mesmos dados pedidos no I-94W, apontou. "A informação será a mesma, mas a maneira de entregá-la será muito mais conveniente", através da internet e quando convir ao viajante, indicou Baker. O sistema poderá começar a ser usado voluntariamente a partir de 1º de agosto e será obrigatório a partir de 12 de janeiro de 2009. O Esta será aplicado aos visitantes dos 27 países que se beneficiam do programa de isenção de visto americano, no qual está incluída a maioria das nações da União Européia (UE). Outros oito Estados estão pendentes de ser admitidos. Esse programa permite que os visitantes que cheguem em viagem de negócios ou turismo para uma estadia inferior a três meses entrem sem visto no país. O secretário de Segurança Nacional, Michael Chertoff, afirmou que a informação solicitada no registro antecipado permitirá "determinar se um viajante isento de visto apresenta uma ameaça antes de subir em um avião" e chegar a território americano. O sistema "representa uma maneira relativamente simples e efetiva de fortalecer nossa segurança e a dos viajantes internacionais, ao mesmo tempo em que se mantém um programa (o de isenção de vistos) para aliados-chave." Segundo o Departamento de Segurança Nacional, o Esta "determinará, quase imediatamente em muitos casos, se um indivíduo pode viajar isento de visto, e se sua viagem representa algum tipo de risco para a segurança ou o cumprimento da lei." Se for aprovada, a autorização será válida ou para um período de dois anos ou até que expire o passaporte do solicitante, o que ocorrer antes. "Não haverá necessidade de apresentar os dados em cada viagem, como ocorria até agora", disse Baker. Originalmente, o site estará disponível apenas em inglês, mas a partir de 15 de outubro ganhará outros idiomas. O organismo indicou que os dados poderão ser apresentados perante o Esta em qualquer momento antes da partida, mas recomendou que, para facilitar o processo de autorização, se faça pelo menos 72 horas antes de começar a viagem. Empresários europeus tinham expressado sua preocupação de que o requisito podia prejudicar as viagens de negócios de última hora ou imprevistos. A este respeito, o Departamento de Segurança Nacional assegurou que o Esta "será flexível com as viagens de último momento", mas insistiu em que, em circunstâncias normais, o aconselhável é introduzir os dados pelo menos três dias antes do vôo.

Mais conteúdo sobre:
EUAimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.