EUA impõem sanções a empresas de China, Rússia e Venezuela

Os Estados Unidos impuseram sanções a empresas de China, Rússia e Venezuela pela suposta venda de armas e tecnologia estratégica a Irã, Coréia do Norte e Síria, segundo um documento do Departamento de Estado. "Foi tomada a determinação de que 13 pessoas estrangeiras se envolveram em atividades que resultam na imposição das medidas previstas no artigo 3. da Lei de Não- Proliferação de Irã, Coréia do Norte e Síria", diz o documento, que entrou em vigor na quinta-feira, ao ser publicado no diário oficial dos EUA. A imprensa russa noticiou o fato nesta sexta-feira, depois que uma empresa russa afetada divulgou nota a respeito. De acordo com essas ações, que costumam durar dois anos, nenhum órgão público dos EUA pode ter relações comerciais com essas empresas. Entre as empresas chinesas afetadas estão a Xinshidai, a Corporação Internacional da China para Construção Naval e de Alto-Mar e a Huazhong CNC. Há restrições também à estatal russa de exportações de armas Rosoboronexport e à Companhia Venezuelana de Indústrias Militares. Um assessor de imprensa da Rosoboronexport disse à agência russa de notícias Interfax que os EUA estavam realizando uma "concorrência inescrupulosa". Os EUA acusam o Irã de desenvolver armas atômicas, e estão empenhados para que a Coréia do Norte se desnuclearize. Síria e Sudão, além disso, aparecem na lista norte- americana de países acusados de patrocinar o terrorismo -- lista da qual a Coréia do Norte foi retirada neste mês. (Reportagem adicional de Todd Eastham em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.