Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

EUA impõem sanções contra banco do Hamas e rede de TV em Gaza

O Tesouro norte-americano impôs sanções nesta quinta-feira contra duas empresas na Faixa de Gaza -- o Banco Nacional Islâmico e a televisão Al-Aqsa -- devido a suas ligações com o Hamas.

REUTERS

18 de março de 2010 | 18h18

O Tesouro disse que as sanções proíbem que norte-americanos façam transações com as entidades e procuram congelar os ativos que as empresas possam ter sob a jurisdição dos Estados Unidos.

O Tesouro classifica o Hamas como uma organização "terrorista global especialmente designada".

As sanções foram impostas contra o Banco Nacional Islâmico, aberto pelo Hamas em abril de 2009. Segundo o Tesouro norte-americano, o banco teria fornecido serviços financeiros a membros do Hamas e seus funcionários, incluindo membros do braço militar.

O Tesouro disse que o banco não tinha licença legal da Autoridade Monetária Palestina e que operava fora do sistema financeiro legítimo.

Em maio de 2009, o Tesouro dos EUA disse que a agência de finanças do Hamas na Faixa de Gaza transferiu 1,1 milhão de euros ao Banco Nacional Islâmico e usou os fundos para pagar salários de membros militares do Hamas que tinham contas no banco.

Segundo o Tesouro, a rede de televisão Al-Aqsa é financiada e controlada pelo Hamas, e que serve como o veículo de mídia primário do movimento, transmitindo programas "designados a recrutar crianças para se tornarem combatentes armados do Hamas e homens-bomba até atingirem a idade adulta".

A liderança do Hamas, de acordo com o Tesouro, levantou o capital inicial da agência bancária em 2006 e, no final do ano passado, transferiu centenas de milhares de dólares para o seu orçamento operacional.

O Hamas foi o pioneiro nos ataques com foguetes de Gaza ao território israelense e apoia a luta armada contra Israel.

"O Tesouro não vai distinguir entre um negócio financiado e controlado por um grupo terrorista, como a televisão Al-Aqsa, e o próprio grupo terrorista", disse Stuart Levey, sub-secretário do Tesouro para terrorismo e inteligência financeira, em comunicado.

(Reportagem de David Lawder)

Tudo o que sabemos sobre:
EUASANCOESGAZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.