EUA insinuam adiamento de avaliação sobre situação no Iraque

Segundo um comandante do Exército dos Estados Unidos no Iraque, boa análise será possível em novembro

Efe,

19 Julho 2007 | 20h50

O tenente-general Ray Odierno, um dos comandantes do Exército dos Estados Unidos no Iraque, assegurou nesta quinta-feira, 19, que, para ter uma avaliação completa sobre a situação no país árabe, será necessário esperar até novembro.  Esperava-se para o mês de setembro um estudo detalhado sobre o progresso do chamado "Plano de Bagdá", no qual o general responsável pelas forças americanas no Iraque, David Petraeus, apresentaria os resultado obtidos desde o aumento no número de soldados americanos no país. "Dentro de 45 dias, começaremos a ter uma idéia um pouco mais exata sobre se a situação vai seguir melhorando, ou se é somente algo passageiro", disse Odierno. Mas, ainda de acordo com o tenente-general, para se ter uma boa avaliação da situação no Iraque, será "necessário esperar pelo menos até novembro". Em 12 de julho, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou que esperará até setembro para tomar uma decisão sobre sua estratégia no Iraque, após a divulgação de um relatório preliminar que mostrou que as conquistas até agora foram limitadas. Por sua vez, o militar afirmou que a situação no país árabe "não é perfeita, mas que o controle foi ganho". "Todas as nossas tendências vão na direção adequada", afirmou.  O tenente-general foi mais longe, e disse que sua avaliação "não é exagerada". Violência - As Forças de Segurança iraquianas acharam nesta quinta-feira 17 cadáveres nas ruas de Bagdá, informaram fontes policiais do Iraque.  Os corpos foram encontrados nos bairros de Rasafa, no leste da capital, e Al-Karj, na margem oeste do rio Tigre.  Os cadáveres, que foram encontrados com as mãos amarradas, os olhos vendados e sinais de tortura, foram levados a um centro médico para que seus familiares pudessem identificá-los. Ainda nesta quinta-feira, o alto comandante do Exército iraquiano Mohammed Nasser Yauhar ficou gravemente ferido, depois que um grupo de homens armados atacou o veículo no qual viajava, no bairro de Qasidiya, no oeste de Bagdá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.