EUA: lançamento de míssil norte-coreano tem 'sinais iminentes'

País posicionou o que acredita que seja um projétil de longo alcance em plataforma; modelo pode atingir Alasca

Agências internacionais,

25 de março de 2009 | 17h16

A Coreia do Norte posicionou nesta quarta-feira, 25, o que acredita-se que seja um míssil de longo alcance em uma plataforma de lançamento, informou um oficial de contraproliferação nuclear americano. "É possível que haja sinais de um lançamento iminente", acrescentou a fonte, sob anonimato, à agência Reuters. "Mas o tempo para isso continua não determinado", completou.

 

Veja também:

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

Segundo funcionários do governo americano, o país está carregando um foguete Taepodong em uma plataforma na costa leste, antes do lançamento de um satélite de comunicações programado para o início do mês que vem. A Coreia do Norte anunciou em fevereiro sua intenção de lançar o satélite. Países da região temem que o anúncio do satélite encubra o lançamento de um míssil de longo alcance capaz de alcançar o Alasca.

 

O governo norte-coreano fez um falso lançamento de satélite em 1998 para encobrir um teste de desenvolvimento de míssil. Em 2006, o país lançou um Taepodong-2 que explodiu menos de um minuto após alçar voo. O foguete de lançamento de um satélite e de um míssil de longo alcance usam tecnologia semelhante, e especialistas em controle da armas temem que mesmo o lançamento de um satélite possa ser um teste para um eventual lançamento de um míssil.

 

A Coreia do Sul, os Estados Unidos e o Japão pediram que a Coreia do Norte desista de lançar o satélite ou míssil, dizendo que a medida é uma violação da resolução do Conselho de Segurança da ONU que retira o país de atividades balísticas. A Coreia do Norte insiste que tem o direito de desenvolver seu programa espacial e, na terça-feira, advertiu os Estados Unidos, o Japão e seus aliados a não interferirem no lançamento.

 

AMEAÇA

 

O delegado para assuntos nucleares da Coreia do Sul, Wi Sung-lac, disse nesta quarta-feira, depois de voltar de reuniões com colegas em Pequim, que o lançamento pode resultar numa resposta. "Se a Coreia do Norte lançar um foguete, certas contramedidas são inevitáveis", disse ele, que se recusou a fornecer maiores detalhes, afirmando que as medidas, dentre elas sanções, seriam discutidas entre os países integrantes do Conselho de Segurança da ONU.

 

Analistas têm procurado sinais de satélite ou míssil na plataforma de lançamento de Musudan-ni. Imagens de satélite do dia 16 de março mostram o progresso na montagem de um foguete, com um guindaste acima da plataforma de lançamento, disse Christian LeMiere, editor da Jane's Intelligence Review, de Londres.

 

Segundo ele, uma vez montado, os cientistas vão precisar de pelo menos uma semana para abastecer e fazer os testes antes do lançamento. Imagens feitas no início do mês não indicam a montagem de um foguete ou míssil, disse ele nesta quarta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACoreia do Norteprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.