EUA não intervirão em conflito entre curdos e turcos, diz militar

O Governo assinalou que o problema deve ser resolvido de maneira diplomática

EFE,

27 de outubro de 2007 | 03h00

Os Estados Unidos não intervirão militarmente nos enfrentamentos entre grupos curdos e forças turcas no norte do Iraque, disse neste sábado, 27, o general Benjamin Mixon, comandante das forças americanas na região sul do país árabe. Perguntado em uma coletiva por telefone sobre o que os EUA farão diante do conflito, Mixon respondeu de maneira taxativa:"Absolutamente nada". O general americano acrescentou que o problema não é de sua responsabilidade, que não enviou tropas adicionais à região nem ordenou a busca por esconderijos ou que se investiguem as atividades dos integrantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). A resposta de Mixon reafirmou a posição americana de não se envolver no conflito entre curdos e turcos. O Governo do presidente George W. Bush assinalou de forma reiterada que o problema deve ser resolvido de maneira diplomática. Bush se reunirá em Washington no dia 5 de novembro com o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, e um dos principais temas do encontro será o conflito que na fronteira norte do Iaque, disseram fontes diplomáticas. O PKK promove há mais de 20 anos a criação de um país curdo no sul da Turquia, apesar da oposição das autoridades de Ancara.

Tudo o que sabemos sobre:
CONFLITOTURCOSEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.