EUA não podem fazer cortes excessivos em defesa--Pentágono

Os Estados Unidos precisarão reduzir seus gastos com defesa por conta da crise fiscal, mas terão de evitar cortes excessivos para sustentar a sua eficiência militar, afirmou uma autoridade sênior do Pentágono no domingo.

KAREN JACOBS, REUTERS

19 de junho de 2011 | 16h10

O secretário-adjunto de Defesa dos EUA, William Lynn, disse que, à medida que os gastos com defesa diminuem, o país precisa proteger habilidades e tecnologias chaves que serão necessárias no futuro, como veículos autônomos e cibersegurança.

"Nosso desafio é acomodar nossas novas circunstâncias fiscais sem rebaixar nossa efetividade militar", afirmou Lynn durante reunião da Associação da Indústria Aeroespacial um dia antes do início da feira aérea de Paris.

Lynn disse que o Departamento de Defesa dos EUA lançou uma revisão da indústria de defesa para entender como decisões orçamentárias e de compra de armas afetam a indústria. Ele disse que a revisão, que está sendo feita setor a setor, influenciará decisões orçamentárias e de política industrial.

Tudo o que sabemos sobre:
EUADEFESACORTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.