EUA negam relação entre crime organizado e preço do petróleo

É improvável que o crime organizadoglobalizado esteja pressionando o preço do petróleo, disse umaalta funcionária do Departamento de Justiça dos EUA nasexta-feira, apesar de Washington afirmar que esses grupos têmuma forte presença no mercado mundial de energia. "Não acho que se possa vincular os dois diretamente", disseAlice Fisher, chefe da divisão criminal do Departamento, ementrevista. Mas ela afirmou que a riqueza dessas quadrilhas e seuenvolvimento no mercado financeiro global ameaçam aestabilidade e a transparência dos mercados. Na quarta-feira, os EUA divulgaram sua nova estratégiacontra o crime organizado, que se baseia numa avaliação derisco ainda sigilosa segundo a qual as quadrilhas controlam"posições significativas" no setor energético e em mercados demateriais estratégicos, inclusive nos EUA. (Por Randall Mikkelsen)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.