EUA ordenam extradição de afegão preso em Guantánamo

Preso em 2002, Mohamed Jawad foi torturado por americanos e afegãos; juíza considera prisão ilegal

Reuters, Associated Press e The New York Times,

24 de agosto de 2009 | 14h45

A juíza federal americana Ellen Huvelle ordenou nesta segunda-feira, 24, a libertação do afegão Mohamed Jawad, um dos mais jovens prisioneiros da base de Guantánamo. De acordo com Ellen, sua prisão é ilegal e ele deve ser enviado de volta para o Afeganistão em um prazo de três semanas.

 

Veja também:

mais imagens Relembre os abusos de prisioneiros na prisão de Abu Ghraib, no Iraque, em 2004

linkRecomendação da Justiça pode reabrir casos de tortura pela CIA

linkObama cria grupo de elite para interrogar suspeitos de terror

linkAgentes da CIA usaram furadeira e arma em interrogatório

linkConheça os métodos de interrogatório usados pela CIA

 

A juíza acatou um pedido de habeas corpus dos advogados de Jawad, que argumentaram que o afegão foi preso pelo Exército americano quando tinha apenas 12 anos. Segundo a versão do Pentágono, ele teria 17 anos no momento de sua captura, em 2002 - sua idade correta não pôde ser determinada por ele ter nascido em um campo de refugiados no Paquistão.

 

Jawad é acusado de atirar uma granada contra um veículo ocupado por dois soldados americanos e seu intérprete afegão, em dezembro de 2002 - os três ficaram gravemente feridos. Na prisão, o tratamento que o jovem recebeu foi tão chocante que o tenente-coronel Darrel Vandeveld, oficial condecorado do Exército americano encarregado de comandar o processo, acabou se retirando do caso por estar "escandalizado" com as evidências de torturas sofridas por Jawad.

 

Antes de chegar a Guantánamo, Jawad esteve na base americana de Bagram, no Afeganistão. Lá, segundo Vandeveld, ele foi várias vezes esbofeteado no rosto, teve a cabeça coberta com um capuz e foi empurrado de uma escada com o rosto coberto e algemado - mais tarde, dezenas de guardas de Bagram admitiram abusar dos detentos exatamente do modo descrito pelo jovem. A tortura prosseguiu em Guantánamo, onde Jawad, com frequência, era transferido de uma cela para outra - a ideia era impedir que ele dormisse.

 

Os registros carcerários indicaram que ele foi transferido 112 vezes de uma cela para outra em um período de duas semanas - em média, 8 mudanças por dia durante 14 dias. Em 25 de dezembro de 2003, o jovem tentou se suicidar, batendo sua cabeça repetidas vezes contra a parede da cela.

 

A decisão de Ellen, contudo, não põe fim ao drama de Jawad. O subsecretário de Justiça dos EUA, Ian Gershengorn, disse à juíza que o Departamento de Justiça está realizando uma investigação penal sobre o caso e ainda não decidiu se vai levá-lo ou não a julgamento em um tribunal americano.

 

Ellen respondeu, dizendo não ter autoridade para impedir que o governo faça uma acusação formal contra o jovem, mas aconselhou o Departamento de Justiça a pensar nos detalhes do caso, no estado mental de Jawad e no fato de ele estar preso há seis anos e meio. "Depois dessa história horrível, espero que o governo acabe por devolvê-lo a seu país. Já é o suficiente o que foi imposto a esse jovem até agora", disse a juíza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.