ATN1.dk/Reprodução
ATN1.dk/Reprodução

EUA pagaram US$ 5 milhões a cientista nuclear iraniano, diz jornal

Shahram Amiri diz insistentemente ter sido sequestrado pela CIA enquanto fazia peregrinação

Efe,

15 de julho de 2010 | 06h56

WASHINGTON - Os Estados Unidos pagaram US$ 5 milhões a Shahram Amiri, o cientista nuclear iraniano que garante ter sido sequestrado pela CIA, pelas informações que passou à espionagem americana sobre o programa nuclear iraniano, publica nesta quinta-feira, 15, o jornal The Washington Post.

 

Veja também:

linkCientista diz que CIA ameaçou o entregar a Israel 

 

Segundo funcionários dos EUA, citados no site do jornal, Amiri não é obrigado a devolver o dinheiro, mas é possível que não possa ter acesso a ele após romper o que definiram como uma "significativa cooperação" com a CIA e retornar subitamente ao Irã.

O cientista, que chegou quarta-feira a Teerã, um dia depois de pedir asilo político na embaixada do Paquistão em Washington, deixou de colaborar com os EUA por temer que o governo iraniano causasse danos à sua família, segundo as mesmas fontes.

"Nada do que conseguiu está agora a seu alcance, graças às sanções financeiras impostas ao Irã", diz um funcionário, que acrescentou que Amiri "se foi, mas seu dinheiro não". "Nós temos sua informação e os iranianos têm a ele", acrescentou ao The Washington Post.

Segundo as autoridades iranianas, Amiri, que foi dado como desaparecido em meados de 2009 durante viagem de peregrinação a Meca, na Arábia Saudita, foi sequestrado pelo governo saudita com ajuda dos serviços de espionagem de Washington.

As autoridades iranianas dizem, além disso, que Amiri foi levado ilegalmente da Arábia Saudita aos EUA por agentes dos serviços de inteligência norte-americanos.

Segundo a rede televisiva iraniana "Press TV", o cientista foi libertado pelos Estados Unidos depois que seus serviços de inteligência não conseguiram sua colaboração em uma campanha de propaganda contra o programa nuclear iraniano.

Tudo o que sabemos sobre:
EUA, cientista, Irã, Washington Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.