EUA pedem 10 mil soldados de aliados para o Afeganistão

Efetivo ajudaria a suprir pedido do general McChrystal de enviar até 40 mil tropas adicionais

estadao.com.br,

26 Novembro 2009 | 11h26

O governo dos EUA espera conseguir que os países membros da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) enviem 10 mil soldados adicionais ao Afeganistão como parte da nova estratégia para a guerra no país asiático, segundo publicou nesta quinta-feira, 26, o jornal americano New York Times. Citando funcionários do governo americano, o diário diz que o plano atual desses países é enviar menos de cinco mil militares ao Afeganistão.

 

Veja também:

linkEUA garantem que não ficarão no Afeganistão por mais 8 anos

linkAmericanos se dividem sobre envio de tropas ao Afeganistão

especial Escalada de violência no Afeganistão e no Paquistão

especial30 anos de violência e caos no Afeganistão

 

Os membros e outros aliados expressaram relutância em enviar mais soldados à guerra por conta da crescente desaprovação de suas populações e das denúncias de corrupção no governo de Hamid Karzai, presidente afegão.

 

A administração de Barack Obama vê a contribuição dos aliados como uma forma de manter as tropas americanas longe das críticas domésticas sobre a guerra. Além disso, o envio de mais 10 mil soldados estrangeiros permitiria chegar ao número de 40 mil tropas adicionais pedidas pelo general Stanley McChrystal, comandante militar dos EUA e da Otan no Afeganistão.

 

A nova estratégia de Obama para a guerra afegã será anunciada na próxima terça-feira, 1º de dezembro. Segundo os funcionários do governo americano, um discurso inflamado do presidente encorajará os outros líderes mundiais a aderir o envio de mais soldados.

 

A expectativa é que Obama anuncie uma estratégia agressiva, já que na quarta-feira, o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, anunciou que os EUA "não querem permanecer mais oito ou nove anos no Afeganistão". A declaração foi dada ao mesmo tempo em que Gibbs confirmou a data do anúncio da nova estratégia.

 

Segundo a National Public Radio (NPR, rede de emissoras públicas de rádio), o plano é que o secretário de Defesa, Robert Gates, o chefe do Estado-Maior Conjunto, almirante Michael Mullen, o general McChrystal compareçam a uma audiência no Congresso logo depois que Obama fizer o anúncio.

Mais conteúdo sobre:
EUA Afeganistão Obama tropas guerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.