EUA pedem boicote ao uísque escocês por libertação de líbio

Doente, terrorista condenado por atentado que matou 270 pessoas foi solto pela Escócia por 'compaixão'

24 de agosto de 2009 | 10h27

Um site na internet está intimando os americanos a boicotarem a compra de uísque e o turismo na Escócia por conta da decisão de libertar e mandar Ali Mohmed al Megrahi, responsável por um ataque à bomba em um avião que matou 270 pessoas em Lockerbie, de volta à Líbia, informou nesta segunda-feira, 25, a agência de notícias CNN.

 

Veja também:

linkCondenado por atentado de Lockerbie é libertado pela Escócia

linkCondenado por atentado é recebido por milhares na Líbia

linkObama diz que libertação de condenado por Lockerbie foi erro

 

O site Boycottscotland.com pede aos americanos que parem de comprar a bebida e de praticar turismo na reg~ião, duas atividades fundamentais para a economia da Escócia. "As ações do governo escocês são imperdoáveis. Um homem que é responsável pelo assassinato em massa de 270 civis inocentes deve ser mantido preso permanentemente por um ato tão cruel", diz um comunicado na página.

 

"A menos que o governo escocês volte atrás com sua decisão de soltar Megrahi, e se o Parlamento britânico continuar fugindo da questão, convocaremos todos os americanos a protestar essa ação ao boicotar o Reino Unido e a Escócia integralmente", completa a nota.

 

O governo escocês enfrentou uma grande onda de críticas, principalmente dos EUA, após o ministro da Justiça Kenny MacAskill decidiu enviar Megrahi de volta à Líbia por "motivos de compaixão", alegando que o prisioneiro sofria de um câncer terminal e teria apenas mais três meses de vida. Megrahi, de 57 anos, foi condenado à prisão perpétua em janeiro de 2001 por ter participado do ataque a bomba contra o voo 103 da Pan American World Airways, que explodiu quando sobrevoava a cidade escocesa de Lockerbie em 1988, matando 270 pessoas - 189 delas americanas.

 

O ministro da Justiça defendeu nesta segunda-feira sua decisão de soltar Abdel Baset al-Megrahi. MacAskill disse, porém, que a Líbia havia prometido uma recepção discreta a al-Megrahi, e não a acolhida digna um herói recebida.

 

MacAskill disse que a recepção calorosa no aeroporto líbio quebrou um acordo com autoridades daquele país. O Parlamento escocês foi convocado, nesta segunda-feira, para uma reunião de emergência sobre a libertação de al-Megrahi. A libertação provocou críticas dos Estados Unidos e também internas, no governo nacionalista escocês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.