EUA pedem 'papel de liderança' da China sobre a Coreia do Norte

A embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, pediu à China nesta segunda-feira que assuma um "papel de liderança responsável" para manter a paz na península coreana em meio à nova crise iniciada pelas ações da Coreia do Norte.

REUTERS

29 de novembro de 2010 | 17h28

Na semana passada, a Coreia do Norte atacou com mísseis uma ilha sul-coreana, matando quatro pessoas, e, no início do mês, um cientista norte-americano que visitava o país teve acesso à centrífugas de enriquecimento de urânio.

"Com certeza estamos em consultas próximas à China... e obviamente esperamos que a China assuma um papel de liderança responsável em trabalhar para manter a paz e a segurança naquela região", disse Rice a repórteres.

"Está nos interesses da China, está nos interesses dos países da região e esperamos que eles tomem passos que sejam consistentes com as obrigações deles" diante das resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), afirmou.

Rice participou de uma reunião do Conselho na segunda-feira que revisou a implementação de sanções já existentes contra a Coreia do Norte por seu programa nuclear.

Ela disse que as atividades observadas pelo cientista norte-americano Siegfried Hecker no complexo nuclear norte-coreano de Yongbyon são "violações claras" das sanções da ONU que proíbem Pyongyang de adquirir tecnologia nuclear.

"Os EUA condenam fortemente estas violações", disse ela, que defendeu o endurecimento para o cumprimento das sanções.

O Conselho de Segurança não debateu o ataque do Norte à ilha sul-coreana de Yeonpyeong, mas membros continuam consultas sobre como se manifestar, diante da possibilidade da China impedir qualquer comunicado que condene Pyongyang.

(Reportagem de Patrick Worsnip)

Tudo o que sabemos sobre:
EUACOREIANCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.