Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

EUA pedem que Israel e palestinos dialoguem, apesar de ataque

A Casa Branca pediu a Israel e aospalestinos para manterem os esforços de paz apoiados pelosEstados Unidos, apesar do tiroteio ocorrido em Jerusalém quematou oito estudantes numa escola religiosa judaica. " A coisa mais importante é que o processo de paz continuae as partes estão comprometidas com ele", disse o porta-voz daCasa Branca Tony Fratto a repórteres. O ataque de quinta-feira, de autoria de um palestino, foimais um golpe na tentativa do presidente norte-americano,George W. Bush, de obter um acordo de paz antes de deixar ocargo, em Janeiro de 2009, objetivo já prejudicado peloprofundo ceticismo e a violência persistente na região. Condenando o pior ataque dos últimos dois anos em Israel.Bush disse que os EUA mantém seu firme o apoio ao Estado judeu,que é um importante aliado de Washington. Ao lhe perguntarem se estava desapontado com a recusa doConselho de Segurança da ONU em condenar o ataque, Frattodisse: :"Nada explica um ataque dessa natureza... Merece nadamenos que a condenação." "Foi extremamente triste ver pessoas celebrando nas ruas deGaza e outros lugares. Na verdade, foi repulsivo", acrescentou. O ataque foi comemorado na Faixa de Gaza, que é controladapelo grupo islâmico Hamas e foi alvo de uma ofensiva israelenseque matou mais de 120 palestinos, cerca da metade deles civis. Israel disse que seu objetivo era pôr fim aos ataques defoguetes desfechados por militantes palestinos de Gaza contraseu território. O governo israelense afirmou que as negociações de pazcontinuam com o presidente da Autoridade Palestina, MamoudAbbas, que censurou o ataque de quinta-feira em Jerusalém. (Reportagem de Matt Spetalnick)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.