EUA pedem que Rússia 'justifique críticas' ao escudo antimísseis

Pentágono reitera que interceptores que Washington pretende criar na Polônia não serão usados para ataque

Efe,

15 de julho de 2008 | 19h16

O Pentágono se defendeu nesta terça-feira, 15, das críticas russas contra o sistema de Defesa Nacional contra Mísseis que os Estados Unidos pretendem instalar no Leste Europeu e pediu a Moscou que justificasse suas "declarações cada vez mais agressivas" contra o projeto. Veja também:Para Rússia, Irã provou que escudo antimísseis é desnecessárioRússia considera retaliar plano de escudo antimísseis dos EUA Em entrevista coletiva, o diretor da Agência de Defesa Antimíssil americana, o tenente-general Henry Obering, explicou que os dez interceptores que os EUA pretendem desdobrar na Polônia seriam apenas para defesa e não foram elaborados para ataque. Com estes comentários, ele parecia querer indicar que os elementos não representam ameaça para a Rússia, ao contrário do que foi afirmado pelo governo do país. Os EUA, que na semana passada assinaram um acordo com a República Tcheca para instalar no país o radar do sistema, asseguram que o propósito é fazer frente a possíveis ameaças procedentes de países hostis no Oriente Médio. O presidente russo, Dmitri Medvedev, advertiu na semana passada na cúpula do Grupo dos Oito (G8, sete nações mais ricas do mundo e a Rússia) no Japão que o país responderá ao escudo "com medidas" que não foram detalhadas. Em fevereiro, o então presidente russo, Vladimir Putin, advertiu de que a Rússia poderia, como resposta, posicionar mísseis em Kaliningrado, na fronteira com a Polônia. "Se tentássemos transformar os interceptores em mísseis ofensivos, seria algo evidente até para o observador interessado", disse nesta terça o tenente general Obering. "Não é algo que tenhamos intenção, nem razão, de fazer, francamente", acrescentou. Segundo o militar, "não há nenhum tipo de justificativa, aos nossos olhos, para algumas das declarações ou preocupações (russas) sobre o local" do escudo de mísseis.

Tudo o que sabemos sobre:
EUARússiaescudo antimísseis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.