EUA permitem acesso de advogados a presos de Guantánamo

Entre os 14 beneficiados está Khalid Mohammed, apontado como cérebro dos atentados de 11 de Setembro

Efe,

28 de setembro de 2007 | 06h08

O governo americano ofereceu formalmente a 14 presos na base naval dos Estados Unidos em Guantánamo (Cuba) a possibilidade de acesso a advogados, informa nesta sexta-feira, 28, o jornal The Washington Post. O jornal, que cita como fontes funcionários do Departamento de Defesa, diz que os 14 prisioneiros estavam em prisões secretas da CIA e foram transferidos para Guantánamo no ano passado. Os prisioneiros são considerados "muito valiosos" na investigação de atos terroristas. Entre eles estão Khalid Sheikh Mohammed, apontado como o cérebro dos atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA, e seu suposto subordinado Majid Khan, de 27 anos, acrescenta o jornal. Desde sua captura ou detenção, os 325 detidos em Guantánamo, em sua maioria talebans ou supostos membros da rede terrorista Al Qaeda, se encontram num limbo legal, sem processo judicial formal nem acesso a advogados. Do fim de agosto até o início deste mês, os 14 prisioneiros puderam preencher formulários para solicitar um advogado. Os pedidos foram dirigidos ao Tribunal de Revisão do Status de Combatente, segundo o Post. Além disso, o formulário inclui a possibilidade de pedir ao Colégio de Advogados dos EUA que busque um defensor que aceite representar gratuitamente os prisioneiros. Mas o presidente da instituição, William H. Neukom, criticou a medida, dizendo que não deseja "dar seu apoio e submeter a sua credibilidade a um sistema inadequado de revisão judicial". Além disso, os advogados deverão passar por diversas provas de segurança antes de poderem falar com os prisioneiros, segundo um funcionário do Pentágono. Funcionários do Departamento de Defesa e dos serviços secretos americanos insistem que a decisão não é uma mudança na política do governo sobre os prisioneiros em Guantánamo. Mas advogados e grupos de direitos humanos opinam que há uma "mudança de tom".

Tudo o que sabemos sobre:
GuantánamoMohammedEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.