EUA podem tirar Coréia do Norte de lista terrorista 'em breve'

Pyongyang pode sair da lista de apoiadores do terrorismo se apresentar relatório nuclear nos próximos dias

Efe,

25 de junho de 2008 | 17h59

O governo dos Estados Unidos poderia retirar a Coréia do Norte da lista de países patrocinadores do terrorismo "muito em breve" se, como se espera, Pyongyang apresentar nos próximos dias o inventário de atividades e equipamentos nucleares. A porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, disse nesta quarta-feira, 25, em entrevista coletiva que a retirada da Coréia do Norte da lista "poderia ocorrer muito em breve" se o país apresentar o inventário. Veja também:Coréia do Norte mostrará programa nuclear em breve, diz Rice Nos últimos dias, aumentaram as expectativas para que Pyongyang apresente esse relatório, pendente desde o final do ano passado, na quinta-feira. Em contrapartida, os EUA eliminariam a Coréia do Norte da lista de países patrocinadores do terrorismo e da Lei contra o Comércio com o Inimigo, uma medida que restringe as atividades comerciais com nações que Washington considera hostis. Cuba ficaria como o único Estado afetado pela lei. Perino, no entanto, advertiu contra um otimismo excessivo. "Não sabemos se farão isso (apresentar a lista de atividades nucleares) de verdade", destacou. O presidente dos EUA, George W. Bush, abordou a situação hoje com o primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, em conversa por telefone, revelou a porta-voz. Tóquio está preocupado com a possibilidade de que os Estados Unidos tirem a Coréia do Norte da lista de países patrocinadores do terrorismo sem que tenham sido cumprido as exigências de que Pyongyang reabra a investigação sobre cidadãos japoneses seqüestrados nos anos 70 e levados a território norte-coreano. Em sua conversa, Bush ressaltou que entende "a importância da questão dos seqüestrados", indicou Perino, que não deu outros detalhes. O compromisso da Coréia do Norte de fazer um inventário das atividades nucleares do país faz parte do acordo alcançado dentro das conversas de seis lados para renunciar ao programa nuclear em troca de incentivos diplomáticos e econômicos. Participam das conversas de seis lados as duas Coréias, EUA, Japão, Rússia e China.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.