EUA poderão pagar militantes que renunciarem ao Taleban

Projeto de lei deve ser assinado pelo presidente americano, Barack Obama, nesta quarta-feira

BBC Brasil, BBC

28 de outubro de 2009 | 00h45

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deve assinar nesta quarta-feira, 28, um projeto de lei de defesa que autoriza o Exército americano a remunerar militantes do TalebAN que renunciarem à insurgência.

O anúncio sobre o projeto foi feito na terça-feira pelo presidente do Comitê das Forças Armadas do Senado, Carl Levin. A medida tem como objetivo conquistar membros mais moderados da milícia e reintegrar os militantes à sociedade afegã.

Levin defende a tentativa de convencer os militantes a "mudarem de lado" oferecendo empregos e anistia a ataques passados, além do pagamento aos ex-insurgentes para que protejam suas cidades e vilas.

Segundo o correspondente da BBC em Washington Richard Leister, cerca de US$1,3 bilhões seriam destinados ao programa. Uma medida similar já é praticada no Iraque, onde ex-combatentes são incentivados a se reintegrarem novamente à sociedade. "Você tem 90 mil iraquianos que mudaram de lado e estão envolvidos na proteção de suas cidades contra ataques e contra a violência", disse.

Obama estuda um aumento substancial no número de tropas dos Estados Unidos no Afeganistão. Os EUA vêm discutindo a possibilidade de enviar mais 40 mil soldados ao país. Os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) já comandam mais de 100 mil soldados estrangeiros em território afegão.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.