EUA prendem dois por suposto plano contra militares em Seattle

Dois homens foram presos sob a acusação de tramar um ataque com granadas e metralhadoras contra um centro de recrutamento militar em Seattle, disse o Departamento de Justiça dos EUA na quinta-feira.

REUTERS

23 de junho de 2011 | 20h14

Abu Khalid Abdul-Latif, 33 anos, morador de Seattle, e Walli Mujahidh, 32, de Los Angeles, foram detidos na noite de quarta-feira e devem responder a sete acusações, incluindo conspirações para matar funcionários públicos e conspiração para o uso de granadas e outras armas de fogo.

Um indivíduo não-identificado que conhecida Abdul-Latif há anos foi procurado por ele no final de maio e convidado a participar do plano e fornecer as armas, mas preferiu denunciá-lo à polícia de Seattle, segundo as autoridades.

Esse indivíduo, que tem passagens pela Justiça, tornou-se então um informante confidencial pago, numa operação sigilosa destinada a capturar os dois homens, segundo promotores.

Abdul-Latif mencionou o ataque de 2009 no quartel Fort Hood, no Texas, onde um major do Exército é acusado de ter matado 13 pessoas. "Se uma pessoa pode matar tanta gente, três agressores poderiam matar muito mais", teria dito ele ao informante, segundo a queixa-crime relacionada à prisão.

O ataque seria uma retaliação contra supostos crimes cometidos por soldados dos EUA no Afeganistão, disse Abdul-Latif ao informante, de acordo com documentos do FBI. Gravações em vídeo e áudio de algumas das conversas e reuniões foram feitas durante a operação.

As autoridades dos EUA estão cada vez mais preocupadas com a possibilidade de ataques cometidos por militantes inspirados pela Al Qaeda e seu líder, Osama bin Laden, morto no mês passado no Paquistão. Uma hipótese particularmente alarmante é a ação de indivíduos isolados ou de pequenos grupos, pois eles são mais difíceis de monitorar.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASEATTLEMILITARES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.