EUA processam paquistanês ligado a atentado frustrado em Times Square

Suspeito deu quase US$ 5 mil a Faisal Shahzad, mas não devia saber que valor seria usado em ataque

REUTERS

16 de novembro de 2010 | 20h02

As autoridades dos EUA abriram na terça-feira um processo por fraude imigratória contra um paquistanês acusado de ter dado quase 5.000 dólares a um homem condenado por tentar cometer um atentado na Times Square, em Nova York. Aparentemente, no entanto, ele não sabia qual seria a destinação do dinheiro.

O Departamento de Justiça afirmou que Aftab Ali, 28 anos, entrou nos EUA em agosto de 2009 com um visto que o autorizaria a viajar ao país para se casar com uma norte-americana, embora a mulher tivesse rompido o noivado seis meses antes.

Ali mais tarde tentou emendar seus documentos imigratórios para se casar com outra norte-americana, o que violou os termos da sua autorização de trabalho, segundo promotores.

Em fevereiro de 2010, ele transferiu 4.900 dólares a Faisal Shahzad, condenado em 5 de outubro a prisão perpétua por tentar acionar um carro-bomba na movimentada Times Square, em Nova York, em maio.

As autoridades não explicaram se Ali tinha ciência da destinação do dinheiro, transferido como parte de uma transação informal de "hawala", comum em sociedades islâmicas, segundo documentos apresentados à Corte Distrital dos EUA em Boston.

Ali é acusado de fraude imigratória e de falsidade ideológica. A primeira acusação acarreta pena de até dez anos de prisão.

Ele vivia em Watertown, nos arredores de Boston, e trabalhou ilegalmente como frentista, segundo as autoridades.

Outro imigrante paquistanês, Mohammad Younis, foi acusado em setembro de manter um negócio clandestino de transferências financeiras que teria fornecido fundos a Shahzad. Ele tampouco foi acusado de saber qual seria o destino do dinheiro.

(Reportagem de Scott Malone)

Tudo o que sabemos sobre:
EUATIMESSQUAREINDICIADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.