EUA protestam após queima de embaixada em Belgrado

Os Estados Unidos reagiram comindignação na quinta-feira ao incêndio e saque em sua embaixadaem Belgrado, provocados por manifestantes contrários àindependência de Kosovo. "Estou ultrajado com este ataque da turba," disse oembaixador norte-americano na ONU, Zalmay Khalilzad, que devepedir ao Conselho de Segurança uma nota de condenação aoincidente. Mais tarde, uma autoridade norte-americana que não quis terseu nome revelado, disse que foi encontrado um corpocarbonizado na embaixada e que todos os funcionáriosnorte-americanos foram contactados. Essa autoridade não tinhainformações sobre a identidade e nacionalidade da vítima fatal. A violência atingiu também outras embaixadas, além debancos e lojas, e deixou uma marca negativa na manifestaçãoconvocada pelo governo contra a independência de Kosovo, daqual participaram cerca de 200 mil pessoas, inconformadas com aperda de uma região considerada o berço simbólico da pátria. "Enquanto vivermos, Kosovo será Sérvia", disse oprimeiro-ministro Vojislav Kostunica à multidão num palanquearmado em frente ao prédio que abrigou o Parlamento da antigaIugoslávia. "Não estamos sozinhos na nossa luta. O presidente (russo,Vladimir) Putin está conosco", afirmou ele. Essa foi a maior manifestação popular na Sérvia desdeoutubro de 2000, quando uma multidão invadiu o mesmo edifíciopara depor o ditador Slobodan Milosevic. Em 1999, também houveuma grande concentração em protesto contra os bombardeios daOtan. Na quinta-feira, havia um clima de abatimento entre ossérvios de todas as idades, que ouviam discursos, melancólicascanções patrióticas e poemas sobre Kosovo, onde hoje apopulação é de maioria étnica albanesa. Não havia polícia por perto na hora do ataque à embaixada.A tropa de choque, com cerca de 200 homens, só chegou meia horadepois, usando gás lacrimogêneo e cassetetes e prendendoarruaceiros. A imprensa local disse que 60 pessoas ficaramferidas, inclusive 15 policiais. Algumas pessoas saíramsangrando. O prédio já estava interditado desde que foi apedrejado pormanifestantes no domingo, dia em que Kosovo declarouindependência, após nove anos sob administração da ONU. Depois da confusão, a polícia isolou todo o bairro dasembaixadas, que fica a poucas centenas de metros damanifestação oficial. O presidente Boris Tadic pediu que os manifestantes"protestem calmamente". Em pronunciamento pela TV, ele afirmouque os distúrbios "só mantêm Kosovo afastado da Sérvia". Os ativistas --muitos com os rostos cobertos-- haviamdestruído duas guaritas e atacaram o prédio com paus e barrasmetálicas. Quebraram as grades das janelas e arrancaram umcorrimão da entrada, usando-o para forçar a entrada. Um homem saltou até o primeiro andar, rasgou a bandeiranorte-americana e chegou a hastear a bandeira sérvia. Outras pessoas pulavam sobre a varanda, enquanto no jardimcerca de mil pessoas aplaudiam e gritavam "Sérvia". Houve uma coluna de fumaça preta na embaixada. Documentos ecadeiras foram atirados pelas janelas. Os bombeiros controlaram as chamas logo depois de amultidão ser dispersada. (Reportagem adicional de Matt Robinson na fronteira entreKosovo e Sérvia, Olja Stanic em Banja Luka, Ksenija Prodanovicem Belgrado)

ELLIE TZORTZI, REUTERS

21 de fevereiro de 2008 | 19h42

Tudo o que sabemos sobre:
EUASERVIAEMBAIXADA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.