EUA querem ajuda da China em nova crise na península coreana

Departamento de Estado pede reação comedida e unificada após ataque de Pyongyang a ilha sob disputa

Reuters,

23 de novembro de 2010 | 19h58

Os Estados Unidos fizeram na terça-feira um apelo por calma após o bombardeio norte-coreano contra uma ilha da Coreia do Sul, e prometeram uma reação "comedida e unificada" com as grandes potências, inclusive a China.  

Veja também:

video Vídeo: Veja imagens do ataque norte-coreano

blog  Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

A Coreia do Norte lançou dezenas de foguetes contra o território sul-coreano, num dos mais graves incidentes desde o armistício que encerrou a Guerra da Coreia em 1953.

A Coreia do Sul alertou para uma "enorme retaliação" em caso de novos ataques. Mas os EUA, que têm cerca de 28 mil soldados estacionados na Coreia do Sul, minimizaram a chance de uma ação norte-americana imediata.

"Ainda estamos monitorando a situação e conversando com nossos aliados. Mas eu não diria que há algo que tenha sido iniciado como resultado do incidente", disse o coronel Dave Lapan, porta-voz do Pentágono.

O porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, afirmou que os EUA buscarão uma coordenação diplomática com os países vizinhos da Coreia do Norte, inclusive a China, único aliado do isolado regime norte-coreano.

"Não vamos responder de modo vacilante", disse Toner.

A Casa Branca condenou duramente o incidente. O presidente norte-americano, Barack Obama, foi despertado às 3h55 (hora de Washington) para uma reunião de emergência e ficou indignado com o bombardeio, segundo a Casa Branca. Ele deveria conversar com o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, de acordo com Bill Burton, porta-voz da Casa Branca.

"A Coreia do Norte tem um padrão de fazer as coisas que é provocativo. Este é um ato particularmente ultrajante", disse Burton a bordo do avião presidencial, acompanhando Obama numa visita a uma fábrica de automóveis em Indiana.

A Casa Branca disse que os principais responsáveis pela segurança nacional, inclusive os secretários de Defesa, Robert Gates, e de Estado, Hillary Clinton, devem se reunir com Obama para discutir a situação.

A Coreia do Sul reagiu militarmente aos disparos de terça-feira e despachou caças para a área, mas as forças dos EUA não participaram da mobilização sul-coreana, segundo uma fonte norte-americana.

Os mercados globais caíram em reação à escalada da tensão na península. Nos EUA, os principais índices mercantis, como o Dow Jones, tiveram queda de cerca de 1,5 por cento, num momento em que a busca dos investidores por segurança causou uma alta do ouro e do dólar.

Leia ainda:

link Lula condena agressão na península coreana

linkEUA e UE condenam ataque norte-coreano

linkJapão fica em alerta devido a conflito entre Coreias

linkPyongyang acusa Seul de disparar primeiro

Tudo o que sabemos sobre:
EUACOREIANREACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.