EUA querem que comércio nuclear com Índia seja autorizado

Membros do Grupo de Fornecedores Nucleares discute proposta de Washington; Brasil participa de reunião

Efe,

21 de agosto de 2008 | 18h53

Os Estados Unidos pressionam os Estados membros do Grupo de Fornecedores Nucleares (NSG) para que se ponha fim às atuais restrições à exportação de materiais e tecnologia nucleares à Índia, país que possuí armas atômicas. Os 45 países que integram o NSG, incluindo o Brasil, iniciaram nesta quinta-feira, 21, em Viena, uma reunião para discutir uma proposta de Washington que pretende permitir o comércio nuclear com o gigante asiático e que tem o apoio das demais potências atômicas: China, França, Reino Unido e Rússia. No entanto, fontes diplomáticas presentes na reunião confirmaram à Agência Efe que várias nações apresentaram emendas perante a moção americana, ao ressaltarem que é perigoso vender tecnologia nuclear a um país que não assinou o tratado de não-proliferação (TNP) de armas atômicas. "Está claro que os EUA vão dar um tratamento excepcional à Índia" disse à Efe fontes diplomáticas ocidentais em Viena. A reunião deve continuar na sexta-feira, embora seja muito provável a necessidade de uma nova rodada negociadora em setembro para chegar a um consenso sobre o assunto. O levantamento do veto suporia a abertura de um enorme mercado de venda de materiais e tecnologia à Índia, um país cujas necessidades energéticas não param de crescer.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAÍndia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.