EUA querem que Senado aprove novo START ainda em 2010

Novo acordo com a Rússia reduz ogivas nucleares nos dois países e será válido por dez anos

29 de março de 2010 | 17h35

Efe

 

WASHINGTON- O governo dos Estados Unidos quer enviar o novo tratado de desarmamento ao Senado nuclear selado na sexta-feira passada com a Rússia até julho, e ratificá-lo antes do final do ano.

 

Veja também:

linkEUA e Rússia concluem pacto de armas

 

A subsecretária de Estado para o Controle de Armas e Segurança Internacional, Ellen Tauscher, disse em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 29, que ficou fechado na sexta-feira em uma conversa telefônica entre o presidente dos EUA, Barack Obama, e seu colega russo, Dimitri Medvedev, que o objetivo do governo americano é submeter o tratado ao debate no Senado o mais rápido possível.

 

Líderes republicanos e democratas do Senado dos EUA se comprometeram na sexta-feira a trabalhar juntos para conseguir a aprovação do novo acordo de desarmamento nuclear com a Rússia.

 

De acordo com a Constituição americana, o Senado deve aprovar todo acordo internacional com o "sim" de pelo menos 67 dos 100 senadores.

 

O novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START) com a Rússia, que será assinado no próximo dia 8 por Obama e Medvedev em Praga, tem três partes: o tratado, o protocolo e os anexos, dos quais as duas primeiras seções estão sendo terminadas, segundo Tauscher, e a terceira, que inclui detalhes técnicos como o regime de verificação, está sendo concluída em Genebra. "Esperamos tê-los prontos pouco depois da assinatura", explicou Tauscher.

 

O governo russo também precisa que a Duma ratifique o acordo, que substitui o START de 1991 e será válido por dez anos.

 

O tratado limita o número de ogivas nucleares em cada país para 1.550 em um prazo de sete anos, uma redução de 74% em relação ao acordo que expirou em 5 de dezembro de 2009 e de 30% frente ao Tratado de Moscou de 2002.

Tudo o que sabemos sobre:
STARTacordonuclearogivasRússiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.