EUA recuam e disputam vaga em Conselho de Direitos da ONU

Os Estados Unidos anunciaram na terça-feira a intenção de disputar uma vaga no Conselho de Direitos Humanos da ONU, revertendo a decisão do governo de George W. Bush de manter distância desse fórum de 47 países.

REUTERS

31 de março de 2009 | 20h34

"Os Estados Unidos irão buscar uma vaga neste ano no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, com o objetivo de trabalhar para torná-lo um órgão mais efetivo na promoção e proteção dos direitos humanos", disse nota do Departamento de Estado.

"A decisão é compatível com a 'nova era de envolvimento' do governo (de Barack) Obama com outras nações, para avançar nos interesses da segurança norte-americana", acrescentou a nota.

A missão do Conselho, criado há três anos, é promover os direitos humanos no mundo, mas seus detratores dizem que seus membros têm se empenhado em proteger alguns países de críticas, ao passo que se mostram desproporcionalmente duros com Israel.

Os EUA já haviam dado um passo em direção ao Conselho em 4 de março, ao participar pela primeira vez de uma sessão e ao pedir que todas as violações aos direitos humanos no mundo sejam tratadas, deixando de lado a ênfase em Israel.

Das dez sessões especiais já realizadas no Conselho, cinco foram convocadas para discutir e criticar políticas de Israel em relação aos palestinos e ao Líbano.

Tudo o que sabemos sobre:
EUADIREITOSCONSELHO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.