EUA reforçam vigilância na fronteira com o México

Num momento em que a violência do narcotráfico toma conta do México, os Estados Unidos anunciaram na terça-feira medidas para combater o tráfico de drogas, armas e dinheiro na fronteira comum.

RANDALL MIKKELSEN, REUTERS

24 de março de 2009 | 17h50

O objetivo é conter o poder e a violência dos cartéis mexicanos, que enviam bilhões de dólares por ano em drogas para os EUA, trazendo de volta armas e dinheiro.

Haverá um aumento no número de agentes dos Departamentos norte-americanos de Justiça, Tesouro e Segurança Interna. Serão cem agentes adicionais fiscalizando o tráfego em direção ao México. A meta é inspecionar todos os trens com destino ao país, e para isso as estações fronteiriças receberão novas máquinas de raios X e outros equipamentos.

Mais de 6.000 pessoas morreram no ano passado no México em crimes relacionados às drogas, um fenômeno que atinge amplas áreas do país e deixa os EUA preocupados com a estabilidade além da sua fronteira sul.

O presidente mexicano, Felipe Calderón, declarou o combate à violência como sua maior prioridade e mobilizou 45 mil soldados para combater as quadrilhas em todo o país.

A secretária norte-americana da Segurança Interna, Janet Napolitano, disse que as novas medidas dos EUA são motivadas parcialmente pela violência. "Essa é uma das ameaças atuais à segurança," disse ela em entrevista coletiva na Casa Branca.

A secretária de Estado Hillary Clinton embarca na quarta-feira para o México, onde discutirá questões de fronteira, economia e mudança climática. Outros ministros e o presidente Barack Obama também visitarão o país em abril.

Também na terça-feira, uma autoridade dos EUA disse que o governo deseja completar antes da visita de Obama uma proposta para resolver uma disputa relativa ao tráfego binacional de caminhões.

O subsecretário de Estado Jim Steinberg disse na entrevista coletiva da Casa Branca que a relação com o México é "tão importante quanto qualquer relação bilateral que tenhamos".

"Ela se estende não só a essas questões críticas do combate a narcóticos e policiamento, mas também a toda a gama de questões que envolvem nossos dois países," afirmou.

O subsecretário de Justiça David Ogden disse que promotores dos EUA e do México estabelecerão uma cooperação baseada no bem sucedido esforço contra as máfias nos EUA.

"Se você tirar o dinheiro deles e trancafiar seus líderes, será possível afrouxar o controle deles sobre as vastas organizações que são usadas para realizar suas atividades criminais," disse ele.

(Reportagem adicional de Tim Gaynor em Phoenix)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMEXICODROGAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.