EUA reiteram apoio a embaixador indicado para a Venezuela

Chávez disse que não aceitará Larry Palmer em seu país após críticas ao governo venezuelano

REUTERS

09 de agosto de 2010 | 19h04

O Departamento de Estado dos EUA disse nesta segunda-feira, 9, que manterá a indicação de Larry Palmer como embaixador em Caracas, apesar de o presidente Hugo Chávez ameaçar não lhe conceder credenciais, devido a críticas proferidas contra o governo socialista venezuelano.

Veja também:

linkUribe aceita depor contra Chávez no TPI, diz advogado

linkLula se diz otimista sobre reunião entre Colômbia e Venezuela

linkUribe chama Chávez de 'covarde' por insultos a distância

"Palmer ainda é o indicado para ser embaixador em Caracas", disse P.J. Crowley, porta-voz do Departamento de Estado. "Continuamos a defender junto à Venezuela que acreditamos que o sr. Palmer é o candidato correto, e que podemos melhorar nossa relação."

Chávez disse no domingo que será "impossível" Palmer assumir o cargo depois de ter declarado, durante o processo de sabatina no Senado, que os militares venezuelanos têm moral baixo, e que existem "claras relações" entre o governo de Chávez e rebeldes esquerdistas colombianos.

As declarações, em resposta por escrito de Palmer a questionamentos do senador republicano Richad Lugar, ocorrem semanas depois de Chávez romper relações com o governo da Colômbia por causa das acusações de Bogotá de que ele seria conivente com a presença de guerrilheiros no seu país.

Falando em seu programa semanal de TV, Chávez declarou que o governo Obama provavelmente teria de retirar a indicação de Palmer. Crowley disse, no entanto, que a Venezuela já aceitou a indicação e não fez qualquer menção formal de rever a medida.

"Estamos certamente esperançosos de que poderemos tranquilizar quaisquer preocupações que o governo venezuelano tenha. Mas ele ainda é nosso indicado", insistiu Crowley.

Chávez é a principal voz antiamericana da atualidade na América do Sul, o que não impede a Venezuela de ser o quinto maior fornecedor de petróleo para os EUA.

Em 2008, Chávez expulsou o embaixador norte-americano no país, Patrick Duddy, depois de acusar Washington de envolvimento com protestos violentos contra o governo aliado da Bolívia.

Duddy regressou durante um período de boa vontade, após a posse de Obama, mas as relações voltaram a se deteriorar desde então.

(Reportagem de Andrew Quinn)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.