EUA rejeitam acordo nuclear negociado entre Turquia, Brasil e o Irã

Para diplomata americano, acordo não leva em conta o desrespeito do Irã ao TNP

EFE

09 de junho de 2010 | 09h45

VIENA - Os Estados Unidos rejeitaram nesta quarta-feira, 09, o recente acordo nuclear negociado entre Brasil, Turquia e o Irã sobre a troca de urânio enriquecido iraniano no exterior, por considerá-lo "não realista" em seus prazos e condições técnicas.

 

Veja também:

link Sanções põem Irã no caminho da 'confrontação'

link Teerã consegue driblar restrição em vigor

link Veja a íntegra do texto com as restrições

blog O que vem depois da resolução contra o Irã?

 

Assim anunciou o embaixador dos EUA diante da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Glynn Davies, durante seu discurso no plenário do Conselho de Governadores da AIEA em Viena.

 

O acordo trilateral, assinado em meados de maio em Teerã, "não leva em conta o fato de que o Irã não cumpre com suas obrigações de não-proliferação (nuclear)", sentenciou o diplomata, poucas horas antes de o Conselho de Segurança da ONU votar em Nova York novas sanções contra o Irã.

 

Pela negociação, o Irã deveria enviar 1,2 mil quilos de urânio enriquecido à Turquia. Em troca, o país receberia um ano depois combustível enriquecido para seu reator científico.

 

O combustível seria produzido na França, com base em tecnologia americana e apoio da Rússia. A proposta foi lançada inicialmente em outubro pelo anterior diretor-geral da AIEA, Mohamed ElBaradei.

 

Então, a ideia era criar confiança entre as partes para poder negociar com o Irã sob menor pressão uma solução dialogada para o litígio nuclear com a República Islâmica.

 

E é que ao enviar esses 1,2 mil quilos de urânio enriquecido ao exterior, Irã ficaria com poucas centenas de quilos desse material, passando a certeza à comunidade internacional que não teria condições de construir uma arma nuclear.

 

Davis destacou, no entanto, hoje que o novo acordo "deixa o Irã com reservas substanciais (de urânio), o que reduz a confiança da proposta original".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.