EUA responderão aos avanços militares chineses, diz Gates

Os Estados Unidos vão responder ao crescimento militar da China, afirmou o secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, enquanto voava para Pequim para conversas com líderes políticos e militares chineses.

PHIL STEWART, REUTERS

09 de janeiro de 2011 | 12h22

Enquanto sua economia cresce, a China aumentou significativamente o investimento militar, e seus avanços mais rápidos do que o esperado em mísseis balísticos, aviões de combate e outros programas estratégicos chamaram a atenção dos Estados Unidos.

Gates reconheceu que alguns dos avanços da China, se confirmados, podem eventualmente minar as tradicionais capacidades militares norte-americanas na região do Oceano Pacífico.

"Eles claramente têm o potencial de colocar nossas capacidades em risco e temos de prestar atenção neles. Temos de responder apropriadamente com nossos próprios programas", afirmou Gates a repórteres, na noite de sábado (horário de Brasília).

"Minha esperança é de que, por meio do diálogo estratégico do qual estou falando, talvez a necessidade de algumas dessas capacidades seja reduzida", acrescentou.

Gates citou um esboço de um orçamento de cinco anos, que ele divulgou na quinta-feira, como um exemplo de como o setor militar dos EUA pode manter sua liderança. Isso inclui investimentos em uma nova geração de bombardeiros nucleares, novos radares e comunicadores eletrônicos e uma nova tecnologia de lançamento de satélites.

Autoridades norte-americanas souberam nas últimas semanas de descobertas de avanços das capacidades militares chinesas, incluindo um programa de mísseis balísticos anti-navios, que poderiam desafiar porta-aviões norte-americanos no Pacífico.

"Eu tenho estado preocupado sobre o desenvolvimento de mísseis anti-navios e balísticos desde que assumi o cargo", disse Gates. Ele acrescentou que a China aparenta estar "razoavelmente avançada" com seu míssil balístico anti-navios, mas afirmou que não sabia se eles já estavam operando.

A China também pode estar pronta para lançar seu primeiro porta-aviões em 2011, mais rápido do que algumas estimativas. Novas fotos indicam que o país tem um protótipo de um avião de combate invisível aos radares.

Ainda assim, Gates parecia diminuir o programa chinês. Perguntado sobre o protótipo, ele disse: "Eu acho que há algumas dúvidas sobre quão invisível" ele é.

O propósito oficial da viagem de Gates à China é de melhorar as relações com os militares chineses.

Os laços militares entre EUA e China foram suspensos durante grande parte de 2010, pois a China protestou pela proposta do presidente norte-americano, Barack Obama, de vender armas a Taiwan. A viagem de Gates à China é a demonstração mais visível de que as relações entre as nações se normalizaram.

O secretário de Defesa afirmou que não espera reviravoltas nas relações com o setor militar chinês durante a visita, dizendo que uma melhora nos laços deveria ser mais gradual.

"Eu acho que é evolutivo, particularmente no lado militar para militar", afirmou.

A visita de Gates ocorrerá uma semana antes de o presidente chinês, Hu Jintao, ir a Washington, criando um ambiente diplomático que os EUA esperam ser bom para que Gates avance em importantes questões de segurança.

"Eu acho que o claro desejo chinês de que eu fosse primeiro, fosse à China antes do presidente Hu ir a Washington, era uma indicação do interesse deles em fortalecer sua parte nas relações", afirmou Gates.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACHINAMILITAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.