EUA retiram acusações contra suspeito do 11 de setembro

Saudita Mohammed al-Qahtani estava preso em Guantánamo sob suspeita de ter seqüestrado avião para atentado

Agência Estado e Associated Press,

13 de maio de 2008 | 17h25

O Pentágono retirou as acusações contra Mohammed al-Qahtani. O saudita era mantido na prisão de Guantánamo sob suspeita de ser o "20º seqüestrador" dos aviões utilizados nos atentados de 11 de setembro de 2001. A informação foi divulgada no fim da noite de segunda-feira, 12, pelo advogado militar do suspeito, Bryan Broyles. Veja também:Prisão de Guantánamo pode acabar junto com governo Bush Al-Qahtani era um dos seis acusados pelos Estados Unidos, em fevereiro, por assassinato e crimes de guerra por suposta participação no 11 de Setembro. Segundo as autoridades, ele não participou dos ataques por ter sido barrado por agentes da imigração e não conseguiu entrar nos EUA.  Mas, na revisão do caso, a juíza Susan Crawford retirou as acusações contra Al-Qahtani e manteve aquelas contra os outros cinco acusados, informou Broyles. Não foi informado o motivo da retirada das acusações contar Al-Qahtani. De acordo com o processo, as acusações podem ser apresentadas novamente no futuro.  Anteriormente, funcionários revelaram que o suspeito havia sido submetido a um interrogatório "duro", autorizado pelo então secretário de Estado, Donald H. Rumsfeld. Entre os cinco suspeitos que seguem respondendo às acusações está Khalid Sheikh Mohammed. Ele é apontado como o mentor por trás dos atentados contra as Torres Gêmeas e o Pentágono. Os promotores pedem a pena de morte para ele e os outros envolvidos.  Em outubro de 2006, Mohammed voltou atrás em um depoimento concedido em Guantánamo. Ele afirmou ter sido torturado e humilhado para que falasse.

Tudo o que sabemos sobre:
PentágonoGuantánamoterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.