EUA revogam lei que limita doações a campanhas políticas

Há 20 anos, companhias estavam não podiam investir livremente em apoio ou oposição a candidatos

Associated Press,

21 de janeiro de 2010 | 14h02

A Suprema Corte dos EUA revogou nesta quinta-feira, 21, a lei que impunha a empresas um limite de investimentos em campanhas de apoio ou oposição a candidatos políticos, colocando um fim a décadas de vigor da restrição de valores.

 

A decisão acaba com uma lei de 20 anos que proibia companhias de usar dinheiro de seu próprio tesouro para pagar anúncios de campanhas políticas. A decisão também deve permitir que sindicatos e uniões trabalhistas participem das campanhas livremente, além de ameaçar limites similares que vigoram em 24 Estados.

 

Críticos dos limites argumentaram que a lei contribuía para restringir o livre arbítrio. "A censura com a qual lidamos é bastante vasta", disse o juiz Anthony Kennedy, apoiado por outros quatro magistrados.

 

Já o juiz John Paul Steves criticou a revogação da lei. "A decisão da corte ameaça minar a integridade das instituições eleitas em nossa nação", disse.

 

A revogação passou por cinco votos a favor e um contra, mas corporações e uniões continuam sem poder investir diretamente em candidatos.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAleicampanhaJustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.