EUA transferem ao Iraque 4 prisioneiros de Guantánamo

Homens detidos no Afeganistão estariam sendo interrogados no país árabe; 245 homens continuam na prisão

Associated Press,

09 de fevereiro de 2009 | 19h17

Quatro iraquianos que estavam na prisão naval americana de Guantánamo foram transferidos nesta segunda-feira, 9, ao Iraque, informaram altos funcionários de segurança locais. Sob anonimato, as fontes disseram que os homens foram detidos no Afeganistão, levados para a detenção em Cuba e agora transferidos ao Iraque para interrogatórios. "Interrogamos quatro homens iraquianos que agora estão sob nossa custódia", contou um dos funcionário.   Veja também: Juíza suspende último processo pendente em Guantánamo Saiba mais sobre a base naval de Guantánamo   A irmã de um dos prisioneiros, Hassan Abdul-Hadi al-Jawhar, disse que a Cruz Vermelha Internacional confirmou a transferência de seu irmão. O órgão se recusou a comentar casos individuais. O presidente americano Barack Obama ordenou, entre suas primeiras ações de governo, o fechamento de Guantánamo em até um ano, como parte de uma reestruturação política da segurança nacional dos EUA.   Na prisão ainda permanecem cerca de 245 homens. Neda Abdul-Hadi afirmou que seu irmão desapareceu em 1999, quando servia nas Forças Armadas no norte do Iraque, durante o governo de Saddam Hussein. Em 2004, a família disse ter recebido uma carta de Hassan, enviada de Guantánamo, e continuou recebendo uma mensagem a cada três meses. "Agora só queremos saber aonde ele está", acrescentou a mulher. "Não sabemos nem para quem ligar."   Antes da invasão do país árabe, liderada pelos EUA em 2003, alguns militares americanos alegavam que havia conexões entre o regime de Saddam e o grupo terrorista Al-Qaeda, e a possibilidade de ambos conspirarem para ataques contra os EUA. No entanto, relatórios posteriores do Comitê de Inteligência do Senado e de comissões independentes que investigaram os atentados de 11 de Setembro concluíram que não havia tal ligação.

Tudo o que sabemos sobre:
GuantánamoEUAIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.