EUA usam dinheiro como arma no Iraque, afirma jornal

Segundo o 'Washington Post', soldados distribuíram quase US$ 3 bi para ajudar com gastos da população

Agência Estado e Associated Press,

11 de agosto de 2008 | 08h59

O Exército dos Estados Unidos gastou quase US$ 3 bilhões em cinco anos com um programa no qual os soldados entregam dinheiro vivo aos iraquianos para ajudá-los com gastos necessários e supérfluos, informou nesta segunda-feira, 11, o jornal americano The Washington Post. Repórteres do jornal tiveram acesso a detalhes do Programa de Resposta de Emergência do Comandante, criado com os objetivos de entregar, em curto prazo, ajuda humanitária aos iraquianos e de apoiar a reconstrução do país árabe. O manual de operação no qual são expostos os detalhes do programa é intitulado O Dinheiro como Sistema de Armas e explica a eficácia do dinheiro no ânimo dos civis iraquianos. Itens como distribuição de eletricidade, medidas de proteção e transporte receberam pelo menos US$ 300 mil cada como parte do programa. O Exército americano também usou US$ 48 mil para pagar por calçados infantis, bem menos do que os US$ 500 mil gastos com bonecos parecidos com funcionários do governo iraquiano para distribuir entre as crianças, informou o Washington Post. Também foram gastos US$ 100 mil em bonecas e US$ 50 mil por 625 ovelhas, prosseguiu o periódico.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.