EUA usam lei de segredo de Estado para intervir em processo ligado ao Irã

O governo dos Estados Unidos está atuando para invocar uma poderosa lei de segurança nacional e descartar uma ação privada contra o grupo sem fins lucrativos Unidos Contra um Irã Nuclear (Uani, na sigla em inglês), argumentando que o caso poderia revelar segredos de Estado, de acordo com uma ação judicial desta sexta-feira.

REUTERS

12 de setembro de 2014 | 21h04

Os advogados do governo argumentam que o processo neste caso poderia "causar danos à segurança nacional" se tiver autorização para continuar. O documento no tribunal federal de Nova York diz que os segredos foram "devidamente classificados como informação de segurança nacional", que estaria descrito em outro processo que não foi tornado público.

O empresário e armador grego Victor Restis processou no ano passado a Uani por difamação depois que o grupo sediado em Nova York, cujos conselheiros incluem ex-oficiais de inteligência dos Estados Unidos, Europa e Israel, o acusou de violar sanções ao Irã ao exportar petróleo ao país.

A Uani defende a pressão econômica sobre o Irã para impedir o país de construir um arsenal nuclear. Uma das táticas do grupo é a de nomear e envergonhar as empresas e as pessoas que fazem negócios com o Irã.

Os advogados de Restis e Uani disseram que não comentariam imediatamente a medida.

(Por Emily Flitter)

Mais conteúdo sobre:
EUALEIIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.