EUA vêem sinais da Al Qaeda em ataques no Iêmen

Os Estados Unidos disseram nestaquarta-feira que os dois carros-bomba que explodiram diante daembaixada norte-americana no Iêmen tinham "todas as indicações"de um ataque da Al Qaeda, mas nenhuma conclusão foi feita sobrea responsabilidade pelo ataque. "Depois de conversar com o pessoal de segurança, vimos queo ataque tem todas as indicações da Al Qaeda. Há múltiplosveículos, além de pessoal a pé", disse o porta-voz doDepartamento de Estado norte-americano, Sean McCormack, quandoperguntado sobre o grupo suspeito de ser responsável peloataque. Pelo menos 16 pessoas, incluindo seis dos responsáveispelos ataques, foram mortas nas explosões, segundo informou umaautoridade do Ministério do Interior iemenita. McCormack disse que um guarda da embaixada dos EstadosUnidos, cidadão iemenita, está entre os mortos e que todo ocorpo diplomático norte-americano está em segurança. Um grupo chamado Jihad Islâmica no Iêmen assumiu a autoriados ataques, mas McCormack disse que não ficou claro quemestava por trás das explosões ou se o grupo agia em nome da AlQaeda -- responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001. "A esta altura, não estou pronto para delimitar as ligaçõesexatas mas, mais um vez, se você considerar o ataque, ele separece muito com o que temos visto da Al Qaeda", disseMcCormack. "Não farei nenhum juízo a esta altura". Uma autoridade antiterrorismo norte-americana também disseque ainda é cedo para apontar a autoria do ataque, mas repetiua frase de McCormack sobre a Al Qaeda. McCormack disse que os Estados Unidos tinham "suspeitas"sobre o grupo que assumiu a responsabilidade pelo ataque, masas explosões obviamente foram muito bem planejadas esofisticadas. Um carro-bomba explodiu no posto de guarda, do lado de forada embaixada, e outro explodiu perto da entrada de pedestres. Vários militantes foram vistos a pé. O objetivo parecia serromper o muro da embaixada, que é bastante fortificada, eaumentar os danos e as mortes, segundo McCormack. (Por Sue Pleming e Randall Mikkelsen)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.