Donald Traill/AP
Donald Traill/AP

Ex-presidente Bill Clinton passa por operação no coração

Clinton foi submetido a cirurgia após sentir dores no peito; presidente já havia recebido pontes de safena em 2004

Reuters,

11 de fevereiro de 2010 | 19h49

O ex-presidente dos Estados Unidos foi submetido nesta quinta-feira, 11, a uma operação para colocar dois stents - um tubo usado para desobstruir a artéria - em uma de suas artérias coronárias após sentir dores no peito nesta quinta-feira. Assessores disseram que ele estava com "bom humor" após o procedimento e que esperava voltar a trabalhar nos esforços de ajuda ao Haiti e outros projetos.

 

O porta-voz do ex-presidente, Douglas Band, disse que Clinton foi orientado a passar pela cirurgia depois de ter se consultado com seu cardiologista. O ex-presidente, que estava sentindo dores no peito, já havia sido submetido a uma cirurgia para colocar quatro pontes de safena em 2004.

 

"O (ex) presidente Clinton está de bom humor e continuará o trabalho de sua fundação e os esforços de ajuda no Haiti para a recuperação do país a longo prazo", disse seu porta-voz.

 

O secretário geral da ONU, Ban Ki Moon, escreveu nesta quinta-feira, 11, uma mensagem ao ex-presidente dos Estados Unidos e coordenador da ajuda ao Haiti, Bill Clinton, o desejando uma rápida recuperação da cirurgia cardíaca a qual foi submetido.

 

O ex-presidente passa bem e está em uma sala de recuperação pós-operatória acompanhado de sua filha, Chelsea, e a espera de sua esposa, Hillary Clinton.

Bill Clinton, com 63 anos, foi eleito presidente dos EUA em novembro de 1992, batendo George H. W. Busch e interrompendo doze anos de gestão republicana na presidência, e foi reeleito em 1996. Clinton se tornou o segundo presidente norte-americano a sofrer um processo de impeachment, devido ao escândalo sexual envolvendo a estagiária Monica Lewinsky, mas foi absolvido pelo Senado.

 

Ele foi o terceiro mais novo presidente dos EUA, e teve uma das mais altas taxas de aprovação para um presidente na história moderna dos Estados Unidos, com 58% de popularidade ao final de seu segundo mandato.

 

Mais recentemente, o ex-presidente foi nomeado enviado especial das Nações Unidas para o Haiti, e escolhido pela entidade para coordenar as operações de ajuda humanitária ao país. Analistas dizem que Clinton recebe forte apoio dentro da ONU por ter grande trânsito dentro da instituição e no governo americano. Sua esposa, Hillary Clinton, é a atual secretária de Estado norte-americana.

 

 

Hillary deixou Washington e está a caminho de Nova York para ficar com seu marido. Fontes afirmaram que ela deixou a capital logo após uma reunião com o presidente Barack Obama na Casa Branca sobre uma viagem ao Golfo Pérsico que começaria na sexta-feira, 12.

 

Hillary não parecia aparentar preocupação ou pressa quando deixou a residência oficial americana, segundo a imprensa local. A secretária manteve sua agenda prevista para esta quinta e também conversou por telefone com o representante do Quarteto de Madri (EUA, ONU, União Europeia e Israel), Tony Blair, sobre o conflito no Oriente Médio.

 

 A secretária de Estado deve viajar no sábado para Catar e Arábia Saudita, onde se reunirá com autoridades locais e participará de um fórum sobre as relações dos EUA com o mundo islâmico. Por enquanto, ainda não se sabe se a agenda mudará.

  

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.