Ex-preso de Guantánamo se tornou líder da Al-Qaeda no Iêmen

Ascensão de saudita levanta questões das complicações do fechamento da prisão para suspeitos de terrorismo

Robert F. Worth, The New York Times

23 de janeiro de 2009 | 09h40

O surgimento de um ex-detento de Guantánamo como um dos vice-líderes da Al-Qaeda no Iêmen levantou as potenciais complicações da ordem executiva assinada pelo presidente americano, Barack Obama, para o fechamento da prisão em 1 ano. O militante, Said Ali al-Shihri, é suspeito de envolvimento em um atentado com bomba contra a embaixada americana na capital iemenita, Sana, em setembro. Ele foi libertado e enviado para a Arábia Saudita em 2007, onde passou pelo programa de reabilitação para ex-jihadistas antes de ressurgir com a Al-Qaeda no Iêmen.   Veja também: Obama ordena o fechamento de Guantánamo em 1 ano Saiba mais sobre a base naval de Guantánamo Saída do Iraque em 16 meses está sendo 'estudada', diz Gates Íntegra do discurso de posse de Obama TV Estadão: Celso Lafer fala sobre a posse  Veja galeria de fotos da festa A vida de Barack Obama em imagens  Imagens da família Obama      Seu status foi anunciado em uma declaração do grupo militante na internet e confirmado por um oficial americano do grupo de antiterrorismo. "Eles são um só e a mesma pessoa", afirmou o funcionário sob anonimato. "Ele retornou para Arábia Saudita em 2007, mas seu movimentos até o Iêmen ainda não estão claros".   A informação surge no momento em que legisladores republicanos criticam o plano de fechar Guantánamo sem qualquer medida para lidar com os presos que ainda estão no local. Porém, a notícia também explica os motivos pelos quais a nova administração quer agir cuidadosamente, levando tempo para elaborar um plano e suas complicações.   Pelo menos metade dos prisioneiros da base naval são iemenitas, e os esforços de repatriamento dependem, em parte, da criação de um programa de reabilitação do Iêmen - parte financiado pelos EUA. O governo saudita afirma que nenhum ex-terrorista que se formou no programa voltou ao terrorismo. "A lição é: independente de quem receber ex-detentos de Guantánamo, deverá ficar com os olhos abertos para eles", afirmou o oficial americano. Embora o Pentágono tenha afirmado que dezenas de libertados de Guantánamo tenham voltado aos combates, a declaração é vista com ceticismo justamente pela dificuldade de ser comprovada.   Em declaração na internet, a Al-Qaeda no Iêmen identificou seu novo vice-líder como Abu Sayyaf al-Shihri, dizendo que ele voltou de Guantánamo para sua terra natal, a Arábia Saudita, e em seguida viajou para o país vizinho "há mais de dez meses". A data corresponde ao retorno de Shihri, saudita libertado em novembro de 2007. "Abu Sayyaf" é seu nome de guerra, comumente usado entre jihadistas em substituição ao seus verdadeiros nomes ou primeiros nomes. Um oficial saudita, sob anonimato, afirmou que Shihri desapareceu de sua casa no ano passado, depois de terminar o programa de reabilitação.   Shihri, 35 anos, foi treinado em táticas urbanas de guerra em um campo no norte de Cabul, Afeganistão, segundo seus documentos divulgados pelo Pentágono no dossiê Guantánamo. Duas semanas depois dos ataques de 11 de setembro de 2001, ele viajou para o Afeganistão e ao Paquistão, e depois afirmou aos investigadores americanos que sua intenção era pedir por socorro. Ele foi ferido em um ataque aéreo e passou mais de um mês se recuperando em um hospital paquistanês. O documento aponta que Shihri se encontrou com um grupo de "extremistas" no Irã, que o ajudaram a entrar no Afeganistão.   Entretanto, nas descrições das razões para a possível libertação de Shihri, o documento afirma que ele diz ter viajado ao Irã "para comprar carpetes para sua loja em Riyadh". Elas afirmam ainda que ele negou conhecer terroristas ou estar associado a eles e que, se fosse libertado, gostaria de voltar para a Arábia Saudita para se reunir com sua família e trabalhar em sua loja de mobília.

Tudo o que sabemos sobre:
GuantánamoAl-QaedaBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.