Ex-senador Santorum surpreende nas primárias republicanas

O pré-candidato republicano Rick Santorum obteve um grande resultado nas primárias de terça-feira no estado de Iowa, mas agora precisa de dinheiro e estrutura para manter o ímpeto na disputa presidencial dos Estados Unidos.

JEFF MASON, REUTERS

04 de janeiro de 2012 | 09h03

O ex-senador Santorum ficou apenas 8 votos atrás do rival, o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney, favorito em nível nacional, no caucus (eleição primária) de Iowa, que abriu a disputa pela indicação republicana à Casa Branca.

O ex-senador, que passou meses como um candidato secundário nas pesquisas, conseguiu quase chegar à vitória graças a uma estratégia teimosa, que envolveu visitas a cada um dos 99 condados de Iowa, num "varejo" político que muito agrada ao eleitorado local.

"O jogo continua!", disse Santorum numa festa para celebrar o resultado, na noite de terça-feira.

Mas, para ter motivos para festejar em outros Estados, Santorum terá de compensar sua falta de organização fora de Iowa.

"Por um lado, é um tributo à política à moda antiga", disse Kenneth Sherrill, professor de ciência política do Hunter College, em Nova York. "Ele não consegue replicar isso em nenhum outro Estado, porque não há outro Estado onde possa passar um ano entre a situação de agora e o dia da eleição."

Como azarão na disputa, Santorum recebia pouca cobertura da mídia e costumava ser queixar de não ser alvo de perguntas nos debates republicanos. Agora, o ex-senador da Pensilvânia passará a receber maior escrutínio.

Os rivais já começaram a salientar os fatos de ele ter votado no Senado a favor de grandes gastos públicos, contrariando suas posições conservadoras, e de ter apoiado Romney na disputa republicana de 2008.

Esses argumentos voltarão a ser destacados em New Hampshire, próxima etapa da disputa republicana. Já Santorum deve continuar se apresentando como uma alternativa conservadora ao moderado Romney.

O candidato também pretende comprar espaço publicitário nas TVs da Carolina do Sul, onde tem uma boa chance de conquistar o eleitorado evangélico.

Santorum passou meses com resultados inexpressivos nas pesquisas em Iowa, e começou a crescer há poucas semanas, colhendo o apoio de eleitores decepcionados com as outras alternativas conservadoras - Newt Gingrich, Rick Perry e Michele Bachmann.

Partidários dizem que seus "valores familiares" e sua personalidade simples foram cruciais para a quase virada, e serão usados nas próximas eleições primárias.

"Ele não tinha dinheiro, não tinha apoio financeiro, e mesmo assim encarou uma pessoa que tinha, sabe, milhões e milhões de dólares, e mesmo assim ele ficou no topo", disse Nina Swan-Kohler, de 59 anos. "Esse é verdadeiramente o Sonho Americano."

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOSANTORUM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.