EXCLUSIVO-Condoleezza Rice reage a autobiografia de Cheney

A ex-secretária norte-americana de Estado Condoleezza Rice disse nesta quarta-feira que ficou ressentida com trechos da recém-lançada autobiografia do ex-vice-presidente Dick Cheney que ela interpretou como um ataque à sua integridade.

ARSHAD MOHAMMED, REUTERS

31 de agosto de 2011 | 19h57

Em entrevista à Reuters, Rice rejeitou a tese de Cheney de que ela teria induzido o ex-presidente George W. Bush ao erro na questão da diplomacia nuclear com a Coreia do Norte.

"Mantive o presidente total e completamente informado a respeito de todas as idas e vindas das negociações com os norte-coreanos", disse Rice nas suas primeiras declarações públicas sobre o assunto.

"Você pode falar sobre diferentes políticas sem sugerir que o seu colega de certa maneira enganou o presidente. Sabe, não aprecio o ataque contra a minha integridade que isso implica."

Na entrevista telefônica, Rice também contestou o trecho da biografia "In My Time" (No Meu Tempo) em que Cheney afirma que a secretária "lacrimosamente admitiu" que o governo Bush não deveria ter se desculpado pela declaração, feita por Bush no seu discurso do Estado da União em 2003, de que o Iraque estaria tentando adquirir urânio para armas nucleares.

A declaração mostrou-se infundada, mas Cheney sempre foi contra o pedido de desculpas. No livro, ele escreveu: "(Rice) veio ao meu gabinete, sentou-se na cadeira ao lado da minha mesa e lacrimosamente admitiu que eu estava certo."

"Isso certamente não se parece comigo, não é?", disse Rice à Reuters. "Eu jamais, não me lembro de ter ido lacrimosamente até o vice-presidente a respeito de nada em todos os oito anos em que o conheci."

"Eu de fato lhe disse que ele estava certo a respeito da reação da imprensa ... Mas tenho bastante certeza de que não fiz isso lacrimosamente", afirmou a ex-secretária.

Rice não é a primeira integrante do governo Bush a criticar a autobiografia de Cheney por causa dos ataques dele a seus rivais dentro do primeiro escalão.

O antecessor dela no Departamento de Estado, Colin Powell, disse no domingo que o livro de Cheney "pega pesado" com os colegas e apresenta erroneamente os fatos.

Questionada sobre se Cheney estaria tentando acertar contas, Rice disse: "Não vou questionar as motivações do (ex-)vice-presidente, porque ele é alguém com quem eu tive uma boa relação e por quem eu tive, e ainda tenho, um grande respeito."

"Mas devo dizer que algumas coisas que ele afirmou sobre seus colegas não são compatíveis com o elevado respeito que eu sempre tive por ele", acrescentou. "Acho que elas caem na categoria do pegar pesado."

Tudo o que sabemos sobre:
EUARICECHENEY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.