Expulsões refletem 'desespero' de Evo e Chávez, dizem EUA

Bolívia e Venezuela expulsaram embaixadores dos EUA; ações mostram 'fraqueza', avalia Departamento de Estado

Reuters,

12 de setembro de 2008 | 17h52

O Departamento de Estado dos Estados Unidos disse nesta sexta-feira, 12, que informou a Venezuela sobre a expulsão de seu embaixador em Washington, em mais um episódio da crise diplomática entre o país norte-americano e líderes de esquerda da América Latina. "Lamentamos a ação dos dois, do presidente Hugo Chávez e do presidente Evo Morales, que expulsaram nossos embaixadores da Venezuela e da Bolívia, respectivamente", disse o porta-voz do Departamento de Estado Sean McCormack a jornalistas.   Veja também: EUA expulsam embaixador venezuelano de Washington Sobe para 14 o número de mortos em conflitos na Bolívia Missão diplomática brasileira para Bolívia segue indefinida Manifestantes bloqueiam fronteira com o Brasil em MS   Chávez expulsa embaixador dos EUA da Venezuela Entenda os protestos da oposição na Bolívia Enviada do 'Estado' mostra imagens dos protestos na Bolívia  Imagens das manifestações    "Isso reflete a fraqueza e o desespero desses líderes enquanto enfrentam desafios internos", acrescentou. A decisão dos Estados Unidos de expulsar o embaixador da Venezuela em Washington foi uma resposta ao anúncio do país sul-americano de mandar embora o representante norte-americano em Caracas. Chávez expulsou o embaixador norte-americano pouco depois que a Bolívia pediu a retirada do embaixador norte-americano em La Paz, acusando-o de instigar violentos protestos no país. O Departamento de Estado norte-americano havia dito anteriormente que as acusações do governo boliviano sobre o suposto papel instigador do embaixador de Washington em La Paz são infundadas. Antes de os Estados Unidos expulsarem o embaixador venezuelano em Washington, Chávez disse que retiraria seu enviado da capital norte-americana. "Informamos o embaixador venezuelano que ele será expulso e que deve deixar os Estados Unidos", disse McCormack. "Creio que o presidente Chávez disse que pediria sua retirada. Não posso dizer se ele está aqui ou não, mas está expulso", acrescentou. "As acusações dirigidas aos nossos embaixadores pelos líderes de Bolívia e Venezuela são falsas, e os líderes destes países sabem", afirmou McCormack. "A única coisa que queremos derrubar é a pobreza", acrescentou. Na quinta-feira, Chávez repetiu uma ameaça que já havia feito diversas vezes, de suspender o abastecimento de petróleo venezuelano para os Estados Unidos, seu maior cliente. A Venezuela tem algumas das maiores reservas do hidrocarboneto fora do Oriente Médio e, apesar dos enfrentamentos do presidente com o governo Bush, é um importante fornecedor para os norte-americanos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.