Falhas nucleares derrubam comando da Força Aérea dos EUA

Falhas envolvendo a segurança doarsenal nuclear norte-americano levaram o secretário de DefesaRobert Gates a demitir na quinta-feira os dois principaiscomandantes da Força Aérea dos Estados Unidos. Gates disse que dois incidentes -- o embarque dedetonadores nucleares para Taiwan, e a colocação inadvertida deseis bombas atômicas em um bombardeiro que sobrevoou todo opaís -- expuseram um problema sistêmico na Força Aérea e umaerosão das normas nucleares. Ele disse que ambos os casos, "embora diferentes nasespecificidades, têm uma origem em comum -- a erosão gradualdos padrões nucleares e uma falta de eficácia na supervisão porparte da liderança da Força Aérea". Fontes oficiais disseram que Gates solicitou a demissão dosecretário da Força Aérea, Michael Wynne (civil), e dochefe-de-gabinete, brigadeiro Michael Moseley. Ambosapresentaram os pedidos na quinta-feira. Gates pediu ao ex-secretário de Defesa James Schlesingerque lidere uma equipe que avaliará as mudanças políticas eorganizacionais necessárias para melhorar o controle sobre oarsenal nuclear. "Em geral a Força Aérea não tem sido suficientementecrítica do seu desempenho prévio, e isso levou a problemasrecorrentes de natureza similar", disse Gates. Os dois incidentes que levaram às demissões ocorreram em2006 e 2007. Mas há outras questões delicadas para a ForçaAérea resolver, como um contrato de marketing de 50 milhões dedólares para um show aéreo e a tentativa de comprar mais aviõesBoeing C-17, apesar das negativas do Pentágono. Gates também discorda da ênfase da Força Aérea na compra dearmas de pouca utilidade nas guerras do Iraque e Afeganistão. Osofisticado caça F-22, por exemplo, não fez uma só missãonesses conflitos, mas continua sendo prioridade para osbrigadeiros. O secretário de Defesa, no cargo de 2006, costuma demitirsubordinados quando eles parecem rejeitar ou minimizar aresponsabilidade por problemas. Foi assim em março de 2007 como secretário do Exército, Francis Harvey, afastado em reaçãoaos problemas no hospital militar Walter Reed. (Reportagem adicional de Andrea Shalal-Esa, Jim Wolf eDavid Morgan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.