Fogo deixa milhares de desabrigados na Costa Oeste dos EUA

A névoa e a fumaça prejudicam nasexta-feira o combate ao incêndio que ameaça a localidadecaliforniana de Paradise, onde mais de 10 mil pessoas estãodesabrigadas, segundo autoridades. "O incêndio é como um gigante adormecido. Não há estimativaquanto à sua contenção", disse a porta-voz municipal YvetteStreeter. "O fogo é guiado pelo vento, e está muito perigosopara os bombeiros por causa do terreno íngreme. Em muitasáreas, os bombeiros não conseguem ver o fogo por causa dafumaça espessa e das nuvens", acrescentou ela. Esse é um dos 300 focos de incêndio ainda ativos naCalifórnia, muitos deles provocados por raios ocorridos emjunho, segundo os bombeiros. No Condado Butte, onde fica Paradise, os incêndios jádestruíram 50 casas e devastaram 19 mil hectares. Outras 3.800casas do condado estão ameaçadas. Em todo o Estado, já foram atingidos 30,5 mil hectares, e20 mil bombeiros estão mobilizados. Canadá, México, Austrália eNova Zelândia enviaram reforços, assim como a Grécia,retribuindo a ajuda norte-americana quando dos seus incêndiosflorestais de 2007. No vizinho Estado de Washington, um incêndio florestalperto de Spokane destruiu 13 casas e obrigou à retirada de 200pessoas, disseram autoridades na sexta-feira. Não houveferidos. O fogo já atinge 486 hectares na região. A melhora do clima e dos ventos na sexta-feira ajuda osbombeiros, depois das fortes rajadas de quinta-feira. Na região central da Califórnia, os bombeiros parecem estardominando os dois grandes focos de incêndios que já duram maisde duas semanas em meio às belas paisagens de Big Sur e SantaBarbara. Na maioria das localidades, os moradores foram autorizadosa voltar às suas casas, embora orientados a ficarem atentos amudanças repentinas dos ventos. Na litorânea Big Sur, 26 casas e 31 outras edificaçõesforam destruídas. No Condado de Santa Barbara, foram 4edificações queimadas. As partes norte e central da Califórnia chegaram a ter maisde 1.700 focos de incêndio ativos depois da tempestade comraios de 21 de junho. (Reportagem de Jill Serjeant em Los Angeles, DaisukeWakabayashi em Seattle e Randall Mikkelsen em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.