França diz que UE considera sanções contra a Rússia

Os líderes da União Européia consideramimpor sanções contra a Rússia antes de uma cúpula, a ser feitana segunda-feira, na qual eles discutirão a situação naGeórgia, informou o ministro das Relações Exteriores francês,Bernard Kouchner, na quinta-feira. Perguntado em uma coletiva de imprensa em Paris sobre asmedidas que podem ser tomadas contra a Rússia devido à suarecusa em se retirar da Geórgia, Kouchner disse: "Sanções estãosendo consideradas, além de muitas outras medidas". Os comentários foram imediatamente rejeitados pelo ministrorusso do Exterior, Sergei Lavrov, que os considerou produto deuma "imaginação doentia". "Acho que é uma demonstração de completa confusão", disseele a jornalistas durante encontro no Tadjiquistão. A França, que detém a Presidência rotativa da UE, convocoupara a segunda-feira uma reunião de chefes de governo dospaíses do bloco, para discutir a crise na Geórgia, deflagradaneste mês após a Rússia reagir à tentativa georgiana de retomara região separatista da Ossétia do Sul. "Estamos tentando elaborar um texto forte, que mostraránossa determinação em não aceitar (o que está acontecendo naGeórgia)", disse. "É claro, também há sanções." "Não quero falar sobre sanções antes da hora, já que oencontro ainda não aconteceu. Mas estamos trabalhando comnossos 26 parceiros neste momento", disse Kouchner. Kouchner disse que vários países europeus são a favor deimpor sanções, mas um diplomata francês disse que a França nãoé um dos países que estão pressionando os colegas pelaimposição das sanções. A França mediou um acordo de cessar-fogo entre a Rússia e aGeórgia com seis propostas e prefere uma abordagem maismoderada, se comparada a países como a Grã-Bretanha, mas suafrustração está crescendo, já que Moscou não cumpriu todos ospontos do pacto. A Rússia diz que está comprometida com o acordo, mas aindatem de retirar suas tropas do país, como foi combinado. Moscoutambém reconheceu duas regiões separatistas georgianas comoEstados independentes. O acordo estabelecia que haverianegociações internacionais para decidir o status das duasregiões. O presidente francês, Nicolas Sarkozy, que falou com opresidente russo, Dmitry Medvedev, na quarta-feira, insiste queas forças russas ainda não voltaram às posições anteriores aoconflito e devem fazer isso imediatamente. Mas Kouchner afirma que Paris continua paciente. "A França não é a favor de cortar relações com a Rússia.Isso será resolvido com negociações. Precisamos de tempo, nãoestamos iludidos quanto a isso", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.