Francis Fukuyama declara voto em Barack Obama

Para ideólogo do 'fim da história', Obama encarna possibilidades de mudança

ANSA

27 de maio de 2008 | 15h45

Depois de se afastar da doutrina neoconservadora norte-americana, que ajudou a construir e na qual se ancorou por algumas décadas, o cientista político Francis Fukuyama, conhecido por sua teoria do "fim da história", vê um futuro no senador democrata Barack Obama, pré-candidato à Casa Branca. Veja também:Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA Acompanhe a disputa entre os pré-candidatos   Entrevistado em Sydney pela rede australiana ABC, o cientista político americano de origem japonesa anuncia que, em novembro, dará seu voto ao senador democrata de Illinois.  "Obama encarna as maiores possibilidades de mudança", disse Fukuyama, autor do livro "O Fim da História e o Último Homem", escrito em 1992. O livro defende que o fim do comunismo e o triunfo do liberalismo terminaria com os conflitos políticos na História e culminaria com a hegemonia da democracia liberal em todo o planeta.  Fukuyama explica que não pretende votar no candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, John McCain, porque "se o seu partido é responsável por um grande fiasco, não se deve premiá-lo com novo apoio".  Segundo o pensador, McCain é o "menos ruim" entre os republicanos, mas "vem de uma escola que coloca ênfase demais sobre os poderes militares como instrumento para alargar a influência norte-americana".   A teoria do fim da história, de Francis Fukuyama, causou polêmica no início dos anos 1990 e foi interpretada como uma justificativa para o domínio norte-americano no mundo. Com os ataques às Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001, o próprio Fukuyama reviu alguns de seus diagnósticos. Um dos ideólogos do pensamento neoconservador nos EUA, a partir de 2003 Fukuyama se afastou da administração Bush e fez críticas à Guerra no Iraque.    (ANSA) 

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições nos EUAObamaFukuyama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.