Furacão Ike toca terra na ilha de Galveston, no Texas

Ciclone tocou a terra com ventos de 175 km/h e pode atingir a categoria 3; refinarias são fechadas

Reuters e Efe,

13 de setembro de 2008 | 05h09

O furacão Ike chegou neste sábado, 13, a costa do Texas, ameaçando devastar os povoados do litoral do Golfo do México e forçando o fechamento das refinarias de petróleo. Além disso, ele coloca em perigo a cidade de Houston, a quarta cidade dos Estados Unidos.   Veja também: Ouça a íntegra do depoimento do brasileiro  Imagens da passagem do Ike  Ike deve se tornar furacão de categoria 3 Brasileiro espera furacão Ike em sua casa em Houston Pentágono mobiliza Exército para passagem do Ike nos EUA Furacão Ike se aproxima do Texas e provoca inundações   O enorme furacão pode ser o pior ciclone que atinge o Texas nos últimos 50 anos e ele deve chegar a terra dentro de algumas horas, informou o Centro Nacional de Furacões.   Ike tocou a terra na ilha de Galveston como um furacão de categoria 2 às 2h10 hora local (4h10 hora de Brasília) com ventos de 175 quilômetros por hora, e pode atingir a categoria 3 na escala de 5 Saffir-Simpson.   A tormenta assolava a barreira da ilha de Galveston com ondas de até sete metros de altura que golpeavam uma muralha de cinco metros. O muro foi construído para proteger o porto depois de um furacão deixar pelo menos 8 mil mortos no ano de 1.900.   O furacão obrigou o fechamento de 17 refinarias de petróleo, que juntas correspondem a mais de um quinto da produção americana, colocou em perigo um cargueiro e destruiu um porto em Galveston.   O Serviço Meteorológico Nacional alertou que as pessoas nas zonas costeiras poderiam "enfrentar risco de morte" e funcionários estimam que o Ike poderia provocar danos em 160 quilômetros da linha costeira dos Estados Unidos.   "Nossa nação enfrenta um furacão potencialmente catastrófico", disse o secretário de Segurança Interior dos Estados Unidos, Michael Chertoff. Ele advertiu que as ondas poderiam representar o maior perigo derivado do ciclone.   Fuga   Mais de um milhão de texanos obedeceram as ordens de evacuação e se dirigiram para zonas no interior do país, mas muitos funcionários estão preocupados porque muitas pessoas não deixaram suas casas.   Um jovem de 19 anos está desaparecido em Corpus Christi e as autoridades acreditam que ele se afogou nas inundações provocadas pelo Ike.   O Ike já provocou inundações e ondas de mais de sete metros, obrigando o deslocamento de mais de 1,2 milhão de pessoas no litoral.   As autoridades da cidade de Houston, no Texas, decretaram nesta sexta-feira toque de recolher em algumas regiões do município que estavam sob ordem de evacuação imediata diante da proximidade do Ike.   O toque de recolher foi emitido pelo prefeito, Bill White, e o juiz do condado de Harris, Ed Emmet, depois de milhares de moradores terem desobedecido ao alerta de deslocamento.   Fontes oficiais disseram que o toque de recolher ficará em vigor entre as 19 horas (locais) desta sexta e as 6 horas (locais) de sábado.   Cortes de energia   As autoridades locais informam que cerca de 725 mil pessoas estão sem eletricidade, entre habitantes de Galveston e Houston, e as empresas advertem para a possibilidade de um corte massivo que afetaria milhões de casas e negócios.   Em Galveston se registraram ao menos 12 incêndios em casas e as equipes de emergência não puderam apagar os focos devido às inundações.   A Guarda Costeira informou que resgatou 65 pessoas das inundações na Península Bolivar, ao leste de Galveston. var keywords = "";

Tudo o que sabemos sobre:
furacão IkeEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.